book_icon

Criptografia, IA e Blockchain devem reforçar o combate aos crimes digitais

Para os próximos anos, Raul Colcher prevê a apropriação de tecnologias de computação quântica para aplicação em soluções de segurança                                         

Criptografia, IA e Blockchain devem reforçar o combate aos crimes digitais

O aumento da robustez de sistemas e técnicas criptográficas, o uso de tecnologias e mecanismos digitais emergentes ­- como IA e Blockchain – em aplicações de segurança, e a introdução de arquiteturas de segurança nativas, como parte da computação e arquiteturas de negócios, são avanços importantes que devem fortalecer o combate aos crimes digitais. “A maioria dos desenvolvimentos atuais relevantes para a segurança cibernética para fins comerciais são incrementais e não disruptivos”, analisa Raul Colcher, membro do Instituto dos Engenheiros Eletrônicos e Eletricistas (IEEE), organização técnico-profissional do mundo dedicada ao avanço da tecnologia em benefício da humanidade, e sócio da Questera Consulting.

Apesar do número crescente de ataques, o especialista considera que os serviços dos bancos estão entre os mais avançados do mundo  

Para os próximos anos, Colcher prevê a apropriação de tecnologias de computação quântica para aplicação em soluções de segurança, o que deve aumentar drasticamente a proteção contra invasões e outras atividades criminosas. “Os estágios de desenvolvimento que têm sido relatados em centros avançados em países como Estados Unidos, China, Japão, Alemanha e Israel parecem indicar que tais tecnologias podem, de fato, estar disponíveis dentro de um horizonte de cinco anos, pelo menos em suas formas pioneiras”.

O crescente número de invasões cibernéticas em corporações privadas e organizações públicas em todo o mundo criou um elemento crucial para o combate a essas fraudes digitais, segundo Colcher: o aumento da conscientização por parte de gestores sobre a importância de fortalecer o nível de informação e conhecimento da força de trabalho sobre essas questões. “Quanto mais conscientização das pessoas para o problema, maior a possibilidade de se criar um ambiente mais seguro.”

Colcher cita como exemplo o sistema financeiro e bancário brasileiro. Apesar do número crescente de ataques, o especialista considera que os serviços dos bancos estão entre os mais avançados do mundo. “A rede bancária investe pesado para proteger os ativos e informações de seus clientes, que são constantemente alvos de golpes, hackers e outras ameaças”, analisa.

As opiniões dos artigos/colunistas aqui publicados refletem exclusivamente a posição de seu autor, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte da Infor Channel ou qualquer outros envolvidos na publicação. Todos os direitos reservados. É proibida qualquer forma de reutilização, distribuição, reprodução ou publicação parcial ou total deste conteúdo sem prévia autorização da Infor Channel.
Revista Digital

Agenda & Eventos

Cadastre seu Evento