book_icon

Os moradores das comunidades poderão receber mais oportunidades de trabalho com a rede 5G?

A quinta geração de rede móvel vai exigir maior qualificação de mão de obra. O cenário é oportunidade para jovens e adultos de favelas na área tecnológica.

A primeira cidade a oferecer o 5G sem interferência de outras frequências foi Brasília, e a previsão é de que as outras capitais sigam por esse caminho. Além da melhoria na conectividade, velocidade e tempo de resposta, a nova geração de internet móvel promete abrir um leque de possibilidades para o mercado de trabalho. Especialistas em dados, Inteligência Artificial, impressão 3D e segurança da informação serão, se já não são, profissões requisitadas.

Conforme estimativa da Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação (Brasscom), a projeção é que as empresas de tecnologia demandem 797 mil talentos de 2021 a 2025. Entretanto, o número de profissionais da área não corresponde à progressão, com um déficit anual de 106 mil talentos. O cenário evidencia a necessidade de formação e capacitação de profissionais.

Como possibilidade de solução para esta estatística, projetos sociais contribuem para a capacitação profissional na área de tecnologia. Muitas iniciativas são voltadas para as favelas a fim de criar facilidades para a entrada no mercado de trabalho, gerar renda e abrir espaço para os talentos. Através de cursos, treinamentos e oficinas, os projetos têm o intuito de reduzir as desigualdades sociais e no mercado em geral, sobretudo o tecnológico.

A trajetória de Jeane Oliveira mudou após ser vencedora da 1a edição do Favela Inova Rio, programa de capacitação profissional e empresarial para jovens de 18 a 29 anos em situação de vulnerabilidade social. Sua startup, a MultiMEI, focada no desempenho e no sucesso de pequenas e micro empresas, foi premiada por entregar capacitações e assessoria, que desburocratiza os processos financeiros, contábeis e fiscais. Em um ano, diretamente do complexo da Maré, ela conseguiu ajudar mais de 300 empresas espalhadas por todo o Brasil.

A pesquisa do Instituto Data Favela revela que 20% dos moradores das favelas estavam desempregados e buscavam empregos, em 2020. O aumento na demanda por profissionais vai ao encontro da busca de oportunidades, sobretudo pelos moradores de comunidades. E os projetos sociais voltados para a tecnologia, inovação e empreendedorismo podem servir como ponte de acesso.

A implantação da rede 5G ainda é uma novidade; trabalhar o aperfeiçoamento pessoal e profissional em paralelo às descobertas tecnológicas é uma forma de antever o mercado. As possibilidades geradas pela rede móvel e a disponibilidade de pessoas nas favelas com boas ideias, talentosas e competentes é a combinação para o desenvolvimento profissional tecnológico brasileiro.

Por Diego Braga, gestor de Inovação da Unisuam.

Diego Braga

Instituto Data Favela

Jeane Oliveira

MultiMEI

rede 5G

Unisuam

Últimas Notícias
Você também pode gostar
As opiniões dos artigos/colunistas aqui publicados refletem exclusivamente a posição de seu autor, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte da Infor Channel ou qualquer outros envolvidos na publicação. Todos os direitos reservados. É proibida qualquer forma de reutilização, distribuição, reprodução ou publicação parcial ou total deste conteúdo sem prévia autorização da Infor Channel.