book_icon

Casa de ferreiro, espeto de pau: os desafios da Transformação Digital na área de TI

Ainda em 2018, de acordo com uma pesquisa entre CEOs e Executivos de Negócios Sênior realizada pelo Gartner, 30% dos entrevistados afirmavam que a escassez de talentos e de conhecimento técnico era o maior inibidor dos negócios digitais. Outra pesquisa do Gartner apontou que o Brasil e outros países como Rússia, Japão, Índia e Malásia são produtores e formadores de talentos em Tecnologia da Informação (TI), enquanto Estados Unidos, França e Inglaterra estão buscando talentos brasileiros. Ou seja, estamos formando mão de obra para outros mercados e as organizações do Brasil já estão sentindo esse movimento.

Para minimizar os impactos desse cenário, empresas têm investido fortemente em iniciativas para atrair e reter talentos. Entre as ações estão a melhoria no discurso de marketing através do Employer Branding, a ampliação de benefícios, os treinamentos e a capacitação interna, os investimentos em programas para estagiários, jovens aprendizes e hackatons, além da busca de parcerias com universidades e centros de ensino.

Todas essas iniciativas parecem apenas tampar o sol com a peneira, como diz o velho ditado, pois a demanda por serviços de TI aumentará nos próximos anos e o cenário de escassez aumentará na mesma proporção.

Olhando o famoso tripé pessoas, ferramentas e processos, o investimento no pilar “pessoas” é fundamental e deve continuar a ser realizado fortemente. Porém, poucas empresas estão olhando para o pilar “ferramentas”. Nesse sentido, é necessário aumentar a produtividade da TI através do uso intenso da Tecnologia e empregar a automatização e a robotização dos processos e atividades repetitivas. Ou seja, a própria área de TI, que ajuda as empresas a se transformarem através da tecnologia, deve realizar sua própria Transformação Digital. É o famoso ‘Casa de ferreiro, espeto de pau’.

Tal automatização irá equilibrar o problema de falta de mão de obra, assim como possibilitará que a equipe de colaboradores esteja livre para produzir mais rápido, cometer menos erros e com menos sacrifícios, podendo investir tempo em tarefas que necessitam mais da habilidade e da criatividade humana.

A tecnologia ficou extremamente complexa com a utilização da Nuvem, da Internet das Coisas, da Inteligência Artificial e das integrações entre aplicações, entre outras ferramentas. Hoje gasta-se muito tempo para resolver problemas de tecnologia, enquanto sobra pouco tempo para atuarmos na solução do negócio. Com a automatização, essas dificuldades diminuiriam e a entrega dos serviços e dos produtos para o cliente seria mais rápida, com maior qualidade, segurança e com foco muito mais nas suas necessidades de negócio.

Resolver essa questão também vai evitar que a área de TI fique estagnada e impossibilitada de avançar, além de possibilitar que nossos profissionais se desenvolvam profissionalmente e tenham maior qualidade de vida.

O caminho é continuar investindo em pessoas e acelerar a automatização da TI. Isso é uma necessidade para ontem. Vamos nos transformar em um negócio realmente de tecnologia e não somente de entrega de tecnologia. Comecemos já nossa Transformação Digital.

Por Marcel Pratte, CEO da Viceri-Seidor.

Employer Branding

Marcel Pratte

Transformação Digital

Viceri-Seidor

Últimas Notícias
Você também pode gostar
As opiniões dos artigos/colunistas aqui publicados refletem exclusivamente a posição de seu autor, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte da Infor Channel ou qualquer outros envolvidos na publicação. Todos os direitos reservados. É proibida qualquer forma de reutilização, distribuição, reprodução ou publicação parcial ou total deste conteúdo sem prévia autorização da Infor Channel.