book_icon

Vendas globais de headsets para VR crescem 240% no trimestre, afirma a IDC

A Meta aumentou sua participação, capturando 90% do mercado, já que o Quest 2 continua imensamente popular e a empresa continua a oferecer mais conteúdo exclusivo

Vendas globais de headsets para VR crescem 240% no trimestre, afirma a IDC

As remessas globais de headsets de Realidade Virtual (VR) aumentaram 241,6% durante o primeiro trimestre de 2022 (1T22) em comparação com o mesmo período do ano passado, de acordo com novos dados do estudo Worldwide Quarterly Augmented and Virtual Reality Headset Tracker da IDC.  A demanda contínua da oferta ajudou a impulsionar a categoria, embora seja importante notar que o 1T21 foi marcado por problemas de oferta e, portanto, proporcionou uma comparação favorável.

A Meta aumentou sua participação, capturando 90% do mercado, já que o Quest 2 continua imensamente popular e a empresa continua a oferecer mais conteúdo exclusivo enquanto subsidia o hardware. Na segunda posição veio o Pico da ByteDance, com 4,5% de participação no mercado. Embora o Pico tenha operado amplamente dentro das fronteiras da China, manteve presença em muitos mercados globais, embora isso tenha ocorrido principalmente no segmento comercial. A expansão recente em muitos países europeus, bem como uma biblioteca crescente de conteúdo amigável ao consumidor, devem ajudar a empresa a atrair um público maior nos próximos trimestres. DPVR, HTC e iQIYI completaram o Top 5 das principais empresas com menos de 4% de participação combinadas.

Todos os olhos estarão voltados para a Apple ao lançar seu primeiro headset no próximo ano e, embora seja tentador imaginar a empresa enviando grandes volumes, lembre-se de que este é seu primeiro dispositivo

“A Meta continua investindo dólares no desenvolvimento do Metaverso, mas a estratégia de promover hardware de baixo custo em detrimento da lucratividade não é sustentável a longo prazo”, afirmou Jitesh Ubrani, gerente de Pesquisa da IDC Mobility and Consumer Device Trackers . “A boa notícia é que o próximo headset orientado à produtividade da Meta servirá como ponto de partida para o pivô da empresa em direção a um hardware de maior geração de receita e também ajudará a fornecer um aumento nos preços do usuário final para todo o setor, à medida que os preços médios de venda aumentam. e a tecnologia melhora substancialmente”, comentou.

Prevê-se que as remessas de headsets VR cresçam ainda mais em 2022, já que os volumes para todo o ano devem atingir 13,9 milhões de unidades, um aumento de 26,6%. No entanto, 2023 será um ano crucial para a indústria de VR (e, por extensão, também para a Realidade Aumentada), pois espera-se que os headsets de próxima geração da Meta, Pico e Sony sejam lançados junto com um headset da Apple, que deve fornecer um experiência de Realidade Mista.

“Todos os olhos estarão voltados para a Apple ao lançar seu primeiro headset no próximo ano e, embora seja tentador imaginar a empresa enviando grandes volumes, lembre-se de que este é seu primeiro dispositivo e que atrairá principalmente um pequeno público de adotantes iniciais e fãs da Apple”, observou Ramon Llamas, diretor de Pesquisa da equipe de Realidade Aumentada e Virtual da IDC. “Outras iterações provavelmente mostrarão uma evolução que crescerá aos trancos e barrancos. Enquanto isso, empresas como Meta e Sony já têm uma forte base instalada e demanda reprimida que podem explorar o mercado para a frente”, finalizou.

Serviço
www.idc.com

 

Apple

Headset

IDC

Pico

REalidde Virtual Meta

Sony

VR

Comentários

  1. Rafael

    Um fato, até a próxima década o console estará obsoleto, no máximo tem essa geração e a próxima, VR vai em breve começar a reinar no mercado com o PC, posteriormente reinará sozinha.

Os comentários estão fechados nesse post.
As opiniões dos artigos/colunistas aqui publicados refletem exclusivamente a posição de seu autor, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte da Infor Channel ou qualquer outros envolvidos na publicação. Todos os direitos reservados. É proibida qualquer forma de reutilização, distribuição, reprodução ou publicação parcial ou total deste conteúdo sem prévia autorização da Infor Channel.