book_icon

Hiperautomação e os novos modelos de trabalho na era da digitalização

Coisa de cinema. Durante muito tempo, essa era a grande definição que surgia, quando temas como Inteligência Artificial, Automação e Robôs apareciam nas discussões. Também pudera: dos Jetsons ao Exterminador do Futuro, a transformação tecnológica sempre foi assunto dos mais férteis às produções de ficção científica e até mesmo de animação. Mas os tempos mudaram e, hoje, a combinação destes e outros recursos da tecnologia não são mais tendências para o futuro. Ao contrário, todas essas ideias já estão mudando radicalmente nossas rotinas de trabalho, tornando tarefas complexas e repetitivas em ações muito mais fáceis de serem feitas.

Graças ao avanço das soluções de hiperautomação, por exemplo, estamos caminhando para um ambiente no qual a própria tecnologia é capaz de nos ajudar a tomar decisões e executar as tarefas em nosso expediente. Aos poucos, as máquinas entram em cena não mais para lutar contra a humanidade (ou defendê-la de um mal supremo), mas sim para tornar o dia a dia das operações muito mais assertiva e eficiente, eliminando gargalos que a nossa decisão humana (manual) poderia levar muito tempo até resolver.

O principal diferencial em relação a outras formas de automação vistas no passado, portanto, é que a hiperautomação foca em fazer com que o próprio sistema possa agir para analisar, checar e agir para simplificar a tomada de decisões dentro dos negócios, cruzando e analisando milhares de dados em tempo real. Por meio da combinação de ferramentas como Automação Robótica de Processos (RPA – do inglês Robotic Process Automation), Aprendizado de Máquina e Inteligência Artificial (IA), estas soluções identificam eventuais gargalos e ajustam suas premissas para aumentar a eficiência dos processos da operação como um todo – sem qualquer ação manual.

É justamente essa habilidade de tomar decisões baseadas em dados e premissas de negócios sem qualquer ingerência humana o que tem feito com que a hiperautomação seja cada vez mais pesquisada e buscada pelas lideranças. Segundo análise do Gartner, este mercado deverá movimentar mais de 600 bilhões de dólares em 2022, contra pouco mais de US$ 480 bi registrado em 2020.

A explicação para essa alta procura encontra razão, também, no atual cenário das companhias como um todo. Com o modelo de trabalho híbrido ganhando a atenção das companhias de todo o globo, não é de se estranhar que ferramentas que ajudam a otimizar as tarefas estejam, de fato, ampliando sua presença na lista de prioridade dos conselhos e gestores de tecnologia.

Aliás, este é um dos pontos que mais mudaram em relação ao passado distante da automação. Se antes muitos perguntavam se o avanço da Inteligência Artificial e dos Robôs iria provocar o fim dos trabalhos humanos, a verdade, agora, é que a tecnologia inteligente pode justamente funcionar como um habilitador para que as pessoas possam se concentrar em atividades que vão agregar mais valor à suas empresas – ou, em muitos casos, para seus clientes.

O conceito da hiperautomação tem exatamente este objetivo: reduzir tarefas manuais repetitivas, burocráticas e mais suscetíveis aos erros, tornando o trabalho das equipes mais confiável e centrado no core business perseguido pelo time e negócio. De acordo com o mesmo estudo do Gartner citado acima, é esperado que as maiores empresas globais consigam economizar até 30% dos custos operacionais de suas equipes por meio, justamente, das soluções de hiperautomação e a orquestração de processos.

Temos de entender que a aplicação de novos conceitos inteligentes está em acordo com a digitalização de nossa vida, muito além das rotinas de trabalho. É possível, hoje, otimizar questões como ocupação de espaços (ainda mais importante após a pandemia da Covid-19, quando muitas empresas saíram de seus escritórios para espaços menores que precisam ter a quantidade de profissionais mensurada diariamente) e, até mesmo, o controle de versões de documentos processados simultaneamente a partir de diferentes locais.

Em tempos marcados pela transformação rápida das condições, contar com ajuda para analisar variáveis, acompanhar indicadores e tomar decisões bastante específicas e demoradas pode significar um alívio incomensurável às equipes, e especialmente para aquelas companhias que precisam lidar, por exemplo, para ambientes altamente regulados e que demandam checagem minuciosa.

A hiperautomação, ao contrário do que alguns filmes do passado insistiam em nos dizer, não é uma tendência para roubar o papel do homem nas operações. Muito mais do que isso, a novidade trazida pela combinação de IA, RPA e outros mecanismos busca ajudar a simplificar o que nós mesmo fazemos.

Como bem dizem especialistas das principais consultorias internacionais, acompanhar esse movimento de automação inteligente está longe de ser um diferencial de competitivo; hoje, eles dizem que trazer essas soluções é uma ação de sobrevivência que ajudar as marcas a lidarem com estruturas mais enxutas, grupos mais descentralizados e informação mais dinâmica. É isso que deve guiar o pensamento dos executivos nesta jornada de transformação digital. Até porque, ainda é tempo de mudar o final da história que estamos construindo, principalmente para quem entender os spoilers que a própria realidade já tem insistido em nos mostrar.

Por Sandra Maura, CEO da Topmind.

CEO da Topmind

era da digitalização

Gartner

Hiperautomação

RPA

Sandra Maura

Últimas Notícias
Você também pode gostar
As opiniões dos artigos/colunistas aqui publicados refletem exclusivamente a posição de seu autor, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte da Infor Channel ou qualquer outros envolvidos na publicação. Todos os direitos reservados. É proibida qualquer forma de reutilização, distribuição, reprodução ou publicação parcial ou total deste conteúdo sem prévia autorização da Infor Channel.
Revista Digital
Edição do mês

Leia nesta edição:

Leia nessa edição sobre tecnologia

CAPA | TECNOLOGIA

5G impõe seu ritmo

Leia nessa edição sobre carreira

MERCADO

Brincadeira de gente grande

Leia nessa edição sobre setorial | saúde

GESTÃO

Backup: a última linha de defesa

Esta é para você leitor da Revista Digital:

Leia nessa edição sobre sustentabilidade

NEGÓCIOS

Terceirização de equipamentos

Maio 2022 | #57 - Acesse:

Infor Channel Digital

Baixe o nosso aplicativo

Google Play
Apple Store

Agenda & Eventos

Cadastre seu Evento