book_icon

CrowdStrike e Mandiant firmam parceria para combater ameaças cibernéticas

O anúncio, realizado simultaneamente pelas duas marcas, confirma a tendência mundial de cooperação entre empresas no combate aos cibercriminosos

CrowdStrike e Mandiant firmam parceria para combater ameaças cibernéticas

A CrowdStrike e a Mandiant, empresas de serviços de segurança cibernética, anunciaram um acordo e passam agora a trabalhar juntas. O anúncio, realizado simultaneamente pelas duas marcas, confirma a tendência mundial de cooperação entre empresas e agências governamentais no combate aos cibercriminosos. Com a parceria, a Mandiant, mais conhecida por liderar investigações de violações – como o ataque de ransomware que fechou um gasoduto da Colonial Pipeline, em 2021, nos Estados Unidos (na ocasião hackers se infiltraram em sua rede de computadores e exigiram mais de US$ 4 milhões em resgate) – passa a implementar as ferramentas de proteção da CrowdStrike.

O Google concordou em comprar a Mandiant por US$ 5,4 bilhões, confirmando que o setor de segurança cibernética está entre os mais bem-sucedidos da última década

“Esta parceria é mais uma validação do poder da plataforma CrowdStrike Falcon. Estamos entusiasmados com o fato de a Mandiant usar a Falcon em serviços de resposta a incidentes IR e construir sua oferta de detecção e resposta gerenciada (MDR) na plataforma”, disse Jeferson Propheta, country manager da CrowdStrike no Brasil.

Em sua página oficial na internet, a Mandiant divulgou um comunicado no qual reforça a “necessidade de unificação e colaboração dentro da comunidade de segurança cibernética, agora mais do que nunca, para proteger e defender os setores público e privado.”

As duas marcas são reconhecidas em todo mundo pelo trabalho de identificar e analisar os grupos de hackers mais perigosos (e famosos), especialmente os ligados às agências governamentais em países como Rússia, China, Irã e Coreia do Norte.

O anúncio da parceria repercutiu em veículos especializados internacionais. O Washington Post, por exemplo, destacou a atuação da Mandiant no trabalho de consultoria de ponta e lembrou que a CrowdStrike obtém atualmente mais de 90% de sua receita com a venda de ferramentas para detectar e responder a incidentes, avaliar vulnerabilidades e controlar o acesso às redes dos clientes.

Também vale lembrar que, no mês passado, o Google concordou em comprar a Mandiant por US$ 5,4 bilhões, confirmando que o setor de segurança cibernética está entre os mais bem-sucedidos da última década em termos de estoque e receita – ao mesmo tempo em que os desafios só aumentam, assim como o número de incidentes.

 

Colonial Pipeline

CrowdStrike

Mandiant

MDR

segurança

As opiniões dos artigos/colunistas aqui publicados refletem exclusivamente a posição de seu autor, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte da Infor Channel ou qualquer outros envolvidos na publicação. Todos os direitos reservados. É proibida qualquer forma de reutilização, distribuição, reprodução ou publicação parcial ou total deste conteúdo sem prévia autorização da Infor Channel.
Revista Digital
Edição do mês

Leia nesta edição:

Leia nessa edição sobre tecnologia

CAPA | TECNOLOGIA

5G impõe seu ritmo

Leia nessa edição sobre carreira

MERCADO

Brincadeira de gente grande

Leia nessa edição sobre setorial | saúde

GESTÃO

Backup: a última linha de defesa

Esta é para você leitor da Revista Digital:

Leia nessa edição sobre sustentabilidade

NEGÓCIOS

Terceirização de equipamentos

Maio 2022 | #57 - Acesse:

Infor Channel Digital

Baixe o nosso aplicativo

Google Play
Apple Store

Agenda & Eventos

Cadastre seu Evento