book_icon

Metaverso e os impactos nos futuros modelos de trabalho

Metaverso é uma definição nova para tecnologias já existentes. O termo foi cunhado na década de 1990 pelo escritor Neal Stephenson, no best seller “Snow Crash”, no qual já antevia uma realidade digital que chamou de metaverso. O conceito atual de metaverso compreende um espaço digital coletivo e compartilhado, resultado da união de Realidade Virtual, Realidade Aumentada e internet.

Da literatura para a vida real, a palavra ganhou popularidade e desde o ano passado é uma das keywords mais buscadas no Google, especialmente depois que Mark Zuckerberg, fundador do Facebook, divulgou que mudaria o nome da companhia para Meta Platforms. Apostando no metaverso como o futuro da internet, ele anunciou investimentos pesados em desenvolvimento, equipamentos e pessoas (só na formação de programadores serão aplicados US$ 150 milhões).

Não estamos falando de uma tecnologia recente. Realidade Virtual (RV) e Realidade Aumentada (RA) já são conceitos conhecidos e discutidos no dia a dia, e a maioria das pessoas já utiliza alguma delas sem se dar conta. Um exemplo típico de RA que usamos no cotidiano são os filtros do Instagram. E quem já foi a uma sessão de cinema em 3D pelo menos uma vez já teve a oportunidade de vivenciar a RV.

No início do milênio, o Second Life, um ambiente virtual e tridimensional que simula a vida real e social do ser-humano por meio da interação entre avatares, já permitia ao usuário se aproximar dessa experiência que, atualmente, estamos chamando de futuro da internet. Hoje, jogos populares como Roblox e Fortnite são ícones de um ambiente digital por onde circulam ativos – como roupas e acessórios para os personagens – que nunca serão tocados por mãos humanas.

O dinheiro virtual (criptomoeda) é outra realidade presente que atrai novos investidores (ou mineradores) a cada dia. Atualmente, as moedas digitais mais conhecidas são a Bitcoin e a Ethernun, circulando em redes de Blockchain, onde operações se concretizam por meio de validações colaborativas.

Com a implantação do 5G, os próximos 10 anos vão significar um salto para o metaverso. O vice-presidente do Gartner, Marty Resnick, disse recentemente que 25% das pessoas ao redor do globo vão passar algum tempo no mundo digital até 2026, quando 30% das organizações do mundo terão produtos e serviços no ambiente online.

Estamos falando de frentes produtivas que vão da indústria, até varejo. Imagine um operador de um sistema elétrico, hoje acostumado a operar seis ou oito monitores simultaneamente. A partir do metaverso, ele precisará apenas de um par de óculos para gerenciar 15 (ou mais) painéis interativos e responsivos. Essa mesma tecnologia permitirá que médicos consigam analisar e interagir com exames de Raio-X, sem necessidade de se posicionarem em frente a um computador.

Por sua relevância, o tema foi destaque no Mobile World Congress, realizado no início de março na Espanha, onde foram discutidos gargalos e necessidades para a implementação definitiva do metaverso e o crescimento do IoE (Internet of Everything).

Transformação Digital nos modelos de trabalho
A pandemia acelerou o processo de “Work From Anywhere”, contudo, o distanciamento não precisa ser sinônimo de isolamento e as soluções adaptadas para o metaverso farão com que essa barreira do distanciamento seja encurtada, abrindo inúmeras oportunidades de inclusão no meio colaborativo. Além disso, a nova geração de talentos será ainda mais conectada e “faminta” por inovação. Empresas que não se adaptarem à evolução tecnológica, com certeza não serão opções para essa nova era de profissionais.

Nos novos modelos de trabalho híbrido, ou em operações geograficamentre distribuídas, o metaverso será o caminho natural para engajamento, networking e gestão de pessoas, ampliando as funcionalidades de ferramentas colaborativas e permitindo, por exemplo, projetar gráficos e imagens em salas de reuniões virtuais, ou interagir com computadores e colaboradores à distância.

Em breve, todo esse fluxo de dados vai rodar em múltiplas nuvens, na Edge Computing, com a velocidade do 5G (mas o mercado já se movimenta em torno de uma banda ainda mais parruda, o 6G, que deve resolver problemas de alcance e latência ainda vistos nas conexões atuais), o que induz a novos desafios nas áreas de cibersegurança e compliance.

Infraestrutura e ESG
Num momento em que cada vez mais as companhias precisam estar atentas às questões ambientais, sociais e de governança corporativa, determinadas por critérios do que se convencionou chamar de ESG (do inglês, Environmental, Social and Governance), a gestão de pessoas anda lado a lado com a preservação ambiental. Essa necessidade competitiva deve levar organizações a optarem por reduzir infraestrutura física, fortalecendo o conceito do Workplace of the Future. Isso inclui enxugar os altos custos com energia e espaço ocupado pelos datacenters, com soluções de hiperconvergência.

Hoje já conseguimos resumir servidores inteiros a pequenas gavetas, em equipamentos com melhor performance e maior flexibilidade, gerenciando dados em ambiente multicloud. Com a evolução da banda larga e o crescimento dos SaaS (Software as a Service), escaláveis e atualizados, a consolidação de uma economia formal conectada ocorrerá em todos os setores, num movimento “puxado” por grandes marcas globais como Nike, Ralph Loren e Gucci, entre outras, que já vêm estabelecendo operações no metaverso. No Brasil, Itaú e Lojas Renner, por exemplo, já atuam no mundo virtual, ambas em parceria com a Fortnite. O futuro já chegou! E a sua empresa está preparada para essa evolução?

Por Paulo Asano, CEO da Populos.

CEO da Populos

futuros modelos de trabalho

Gartner

Metaverso

Paulo Asano

Últimas Notícias
Você também pode gostar
As opiniões dos artigos/colunistas aqui publicados refletem exclusivamente a posição de seu autor, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte da Infor Channel ou qualquer outros envolvidos na publicação. Todos os direitos reservados. É proibida qualquer forma de reutilização, distribuição, reprodução ou publicação parcial ou total deste conteúdo sem prévia autorização da Infor Channel.