book_icon

Mercado da tecnologia jurídica prospera no Brasil

O surgimento de novos projetos no País anima setor em crescimento mundial

Mercado da tecnologia jurídica prospera no Brasil

Os serviços jurídicos estão se inserindo dentro de uma nova realidade a partir da chegada das Lawtechs, startups que visam a otimização do trabalho realizado no mundo do Direito. A simplificação do acesso à justiça tem permitido o avanço acelerado do mercado global de tecnologia jurídica. Segundo a Statista – empresa alemã especializada em dados do mercado -, em 2020 esse tipo de serviço gerou US$ 17,58 bilhões de receita mundial.

Visando a organização e o diálogo entre as empresas de tecnologia jurídica, a Associação Brasileira de Lawtechs e Legaltechs (AB2L) foi criada para dar maior suporte a esse mercado no Brasil. Ao todo já são 300 startups associadas. Apesar de ser uma área ainda pouco explorada no país, o crescimento é nítido e há grandes ambições para os próximos anos.

Diretor executivo da AB2L, Daniel Marques comenta o crescimento da associação desde sua fundação e as projeções para o mercado de tecnologia jurídica para 2022: “Em 2017 começamos com 20 Lawtechs, hoje são 300. Tivemos um crescimento de 1400%. Além disso, para o próximo ano, a tendência é que haja a promoção de uma cultura de dados que possibilitará não apenas uma maior transparência no judiciário, mas uma democratização do direito e maior participação popular. Tudo que envolva a relação entre Direito (Metalaw) e Metaverso será muito explorado em 2022.”, analisou.

Através de um projeto inédito no Brasil, a LawQuest, lawtech que torna possível criar e controlar a cultura em proteção de dados corporativa, busca revolucionar a tecnologia jurídica com base na Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD). A startup sulista une compliance e proteção de dados, com um sistema de treinamento voltado para as empresas que desejam destaque em desempenho e segurança digital.

CEO e fundador da startup, José Castellian iniciou o projeto promissor em 2020. Estudante de Direito de apenas 20 anos, José se diz animado com as mudanças nas empresas jurídicas com a inserção da LGPD e elucida os principais pontos deste ano no meio tecnológico-jurídico. “Em 2021 aconteceu a entrada em vigor das sanções da LGPD, que provocaram uma série de mudanças, abrindo oportunidades no mercado jurídico para Proteção de Dados. As empresas começaram a buscar adequação à nova legislação e regulações de Dados e Privacidade, o que demonstrou a urgência dessa pauta”, destacou.

José projeta um crescimento cada vez maior no mercado das Lawtechs, a introdução de novas tecnologias, e aposta na internacionalização da startup: Em 2022, a LawQuest estará exportando parte da sua operação para o exterior (Estados Unidos e Portugal), a fim de tornar-se uma solução internacional com aderência a mercados cada vez maiores. Pretendemos trazer novas tecnologias ao mercado, impulsionar jovens empreendedores e organizar grandes eventos para unir e capacitar ainda mais o mercado de proteção de dados”, conclui o jovem empreendedor.

 

Associação Brasileira de Lawtechs e Legaltechs (AB2L)

Daniel Marques

José Castellian

Lawtechs

tecnologia jurídica

Últimas Notícias
Você também pode gostar
As opiniões dos artigos/colunistas aqui publicados refletem exclusivamente a posição de seu autor, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte da Infor Channel ou qualquer outros envolvidos na publicação. Todos os direitos reservados. É proibida qualquer forma de reutilização, distribuição, reprodução ou publicação parcial ou total deste conteúdo sem prévia autorização da Infor Channel.