book_icon

Brasil está entre os mais vulneráveis a ataques virtuais na América Latina

De acordo com o levantamento da Appgate, os países que registraram maior número de ocorrências na região foram Brasil, Equador, Colômbia e Argentina

Brasil está entre os mais vulneráveis a ataques virtuais na América Latina

A Appgate, empresa de segurança cibernética, fez um mapeamento dos principais focos de ciberataques ocorridos na América Latina neste ano. De acordo com o levantamento, os países que registraram maior número de ocorrências foram Brasil, Equador, Colômbia e Argentina. O relatório aponta que, em média, por mês, quase 1 mil ameaças foram neutralizadas pela empresa. As modalidades de crimes cibernéticos monitoradas na região foram: Phishing (50%),
Perfis falsos do Instagram, Twitter, Facebook (25%), Redirecionamento para phishing (17%) e Aplicativos móveis falsos (7%).

A Appgate reforça que uma estratégia de prevenção à fraude não envolve apenas tecnologia; requer também um desenho de pessoas e processos que garantam um funcionamento que aproveite cada uma das potencialidades disponíveis

O crescimento transacional e a utilização de novos canais digitais implicaram no reforço das estratégias de autenticação na América Latina, reflexo disso é o aumento de quase 400% no volume de autenticações em algumas organizações digitais (neobanks) da região, sendo que o uso de esquemas de autenticação baseados em mobile (soft token) foi o que mais cresceu, mas o uso de One Time Password (OTP) também apresentou um aumento em seu uso, principalmente para solucionar as necessidades digitais de novos usuários.

Os dados apontam ainda que, em junho, Argentina e Equador tiveram um pico de ataques de phishing. Segundo a empresa, o aumento de fraudes (canais digitais e transações com cartões em um ambiente virtual) é uma constante desde o início da pandemia, em 2020.

“Um ponto-chave que chama a atenção é a necessidade de as organizações caminharem para modelos de autenticação que gerem melhores experiências e resolvam necessidades no mundo digital e físico. Importante registrar o aumento de clientes que estão desenvolvendo suas estratégias a partir do uso de autenticações push na região, um avanço em experiências omnichannel e de segurança para os clientes”, destaca Marcos Tabajara, diretor de Vendas da Appgate no Brasil.

A necessidade de administrar as fraudes de forma eficiente e, ao mesmo tempo, evitar impactos nas organizações e nos clientes, levou os órgãos reguladores da América Latina a fornecer orientações de acordo com as necessidades e riscos que surgem. Essas orientações têm alguns pontos em comum nos diferentes países da região e podem ser descritos em quatro pilares fundamentais que a Appgate recomenda às organizações da região:

– Gerenciamento e monitoramento de ameaças digitais, além da proteção de portais ou aplicativos transacionais;

– Autenticação forte e/ou multifatorial para identificação de usuários em ambientes físicos e digitais;

– Análise de risco transacional que permita detectar anomalias com base no perfil transacional do usuário;

– Segurança no acesso à infraestrutura ou recursos críticos dentro das organizações.

“A Appgate reforça que uma estratégia de prevenção à fraude não envolve apenas tecnologia; requer também um desenho de pessoas e processos que garantam um funcionamento que aproveite cada uma das potencialidades disponíveis, conforme mostram as experiências de alguns clientes da empresa na região”, completa Tabajara.

Serviço
www.appgate.com

AppGate

fraude

Perfil Falso

pesquisa

phishing

segurança

As opiniões dos artigos/colunistas aqui publicados refletem exclusivamente a posição de seu autor, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte da Infor Channel ou qualquer outros envolvidos na publicação. Todos os direitos reservados. É proibida qualquer forma de reutilização, distribuição, reprodução ou publicação parcial ou total deste conteúdo sem prévia autorização da Infor Channel.