book_icon

Amazul usa a tecnologia a serviço da defesa, energia e saúde do cidadão

Em parceria com o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), instituições de pesquisa, o IPEN e a iniciativa privada, a Amazul realiza tratativas para desenvolver projeto para a implantação de centros de irradiação industrial no Brasil, notadamente na área de alimentos

Amazul usa a tecnologia a serviço da defesa, energia e saúde do cidadão

A Amazul – Amazônia Azul Tecnologias de Defesa S.A., empresa pública estratégica que atua na área nuclear, desenvolve tecnologias voltadas para garantir a soberania brasileira no território marítimo, melhorar a saúde e a qualidade de vida da população e proporcionar outros benefícios para a sociedade. “Os projetos e empreendimentos de que participa têm como escopo final a construção do submarino nuclear, a geração de energia elétrica, a produção de radiofármacos para o diagnóstico e tratamento de doenças como o câncer, o desenvolvimento de dispositivo de assistência ventricular e a conservação e proteção de alimentos, dentre outros”, afirma Antonio Carlos Soares Guerreiro, diretor-presidente da Amazul.

A empresa, que completa oito anos em agosto, foi constituída em 2013 para promover, desenvolver, absorver, transferir e manter as tecnologias necessárias ao Programa Nuclear da Marinha (PNM), Programa de Desenvolvimento de Submarinos (ProSub) e Programa Nuclear Brasileiro (PNB).

Um dos projetos estratégicos e de grande alcance social da empresa é o desenvolvimento do Reator Multipropósito Brasileiro, junto com a CNEN, voltado para pesquisa e produção de radioisótopos que são aplicados na medicina, na agricultura, na indústria e em testes de materiais  

Dentro do PNM, a Amazul atua nos empreendimentos da Marinha que têm o objetivo de projetar, construir, comissionar, operar e manter reatores nucleares do tipo PWR (Pressurized Water Reactor), e de produzir seu combustível. Atualmente, está sendo construído em Iperó, interior de São Paulo, o Laboratório de Geração Nucleoelétrica, um protótipo, em terra, do sistema de propulsão do submarino nuclear.

Em relação ao ProSub, cuja meta é produzir quatro submarinos convencionais e um com propulsão nuclear, a Amazul está comprometida com a capacitação de pessoal e a busca de parcerias com empresas para aumentar o grau de nacionalização dos submarinos, que são eixos estruturais do programa, contribuindo, também, para o fortalecimento da base industrial de defesa nacional. Atualmente, por meio de acordos de cooperação técnica, ajuda a desenvolver tecnologias como o sistema integrado de gerenciamento de plataforma e o sistema de combate de submarinos.

O conhecimento gerado pelo PNM permite à Amazul o uso das tecnologias para fins não militares, como para a geração de energia. Junto com a Marinha, a Amazul fabrica ultracentrífugas destinadas às Indústrias Nucleares do Brasil (INB) para o enriquecimento do urânio, que se transforma em combustível nuclear e é enviado às usinas de Angra. Em parceria com a Eletronuclear, participa do projeto de extensão da vida útil da Usina Nuclear de Angra I. Ainda para a INB, projeta a ampliação da Usina Comercial de Enriquecimento de Urânio (UCEU) em Resende (RJ), dentro do programa da estatal de abastecer as usinas de Angra com combustível nuclear.

O uso dual da tecnologia das ultracentrífugas também está presente na parceria da Amazul com o Instituto do Coração – Incor para desenvolver um dispositivo de assistência ventricular (DAV), que auxilia o bombeamento de sangue em pacientes com insuficiência cardíaca que estão na fila de espera do transplante. Com isso, o paciente ganha uma sobrevida para aguardar o novo coração, sem necessidade de recorrer a dispositivos importados de elevadíssimo custo.

Um protótipo do motor foi desenvolvido há alguns anos pelo Centro Tecnológico da Marinha em São Paulo, com tecnologias usadas nas ultracentrífugas de enriquecimento de urânio, utilizadas nas usinas nucleares. Agora, a Amazul usará essa tecnologia para projetar o DAV, no âmbito da parceria com o Incor.

Na área de medicina nuclear, a Amazul participa da implantação de um programa de modernização no Centro de Radiofarmácia do Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares (IPEN), em São Paulo, em parceria com a Comissão Nacional de Energia Nuclear (CNEN), que garante a produção e distribuição de radiofármacos para todo o País, contribuindo com a melhoria da qualidade de vida de milhares de brasileiros.

Um dos projetos estratégicos e de grande alcance social da empresa é o desenvolvimento do Reator Multipropósito Brasileiro, junto com a CNEN, voltado para pesquisa e produção de radioisótopos que são aplicados na medicina, na agricultura, na indústria e em testes de materiais. A principal função do RMB é tornar o Brasil autossuficiente na produção de insumos para a fabricação de radiofármacos usados no diagnóstico e no tratamento do câncer e outras doenças. O projeto detalhado do empreendimento será concluído pela Amazul neste segundo semestre de 2021.

Em parceria com o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), instituições de pesquisa, o IPEN e a iniciativa privada, a Amazul realiza tratativas para desenvolver projeto para a implantação de centros de irradiação industrial no Brasil, notadamente na área de alimentos. A irradiação é uma técnica eficiente na conservação dos alimentos, que permite reduzir as perdas naturais causadas por processos fisiológicos (brotamento, maturação e envelhecimento), eliminar ou reduzir microrganismos, parasitas e pragas, sem provocar nenhum prejuízo aos alimentos, tornando-os, também, mais seguros ao consumidor.

A irradiação de alimentos poderá impulsionar ainda mais as exportações do agronegócio no País. Para se ter uma ideia, o Brasil é o 3º maior produtor de frutas do mundo, mas apenas o 23º maior exportador.

A Amazul é totalmente dependente do Tesouro e atua num setor considerado pela Constituição Federal como monopólio da União. “Mas a empresa possui enormes ativos intangíveis, participa de programas estratégicos de longo prazo e tem como visão entregar à Nação conhecimento, tecnologias e pessoal capacitado nas áreas nuclear e de desenvolvimento de submarinos”, destaca o diretor-presidente Antonio Carlos Soares Guerreiro.

Com uma força de trabalho e estrutura adequadamente dimensionadas, a Amazul conta com cerca de 1.700 empregados – 90% deles voltados diretamente para os programas que motivaram sua criação – inspirados pelo lema da empresa: “Tecnologia nacional em benefício da sociedade”.

 

Amazul - Amazônia Azul Tecnologias de Defesa S.A.

Antonio Carlos Soares Guerreiro

Programa de Desenvolvimento de Submarinos (ProSub)

Programa Nuclear Brasileiro (PNB)

Programa Nuclear da Marinha (PNM)

Últimas Notícias
Você também pode gostar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


As opiniões dos artigos/colunistas aqui publicados refletem exclusivamente a posição de seu autor, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte da Infor Channel ou qualquer outros envolvidos na publicação. Todos os direitos reservados. É proibida qualquer forma de reutilização, distribuição, reprodução ou publicação parcial ou total deste conteúdo sem prévia autorização da Infor Channel.
Revista Digital
Edição do mês

Leia nesta edição:

Leia nessa edição sobre tecnologia

CAPA | PRÊMIO A ESCOLHA DO LEITOR

As indicações do usuário

Leia nessa edição sobre carreira

CÓDIGO ABERTO

Kubernetes rumo à Nuvem

Leia nessa edição sobre setorial | saúde

LEGISLAÇÃO

Importações desafiam as empresas

Esta é para você leitor da Revista Digital:

Leia nessa edição sobre sustentabilidade

COMUNICAÇÕES

5G: Será que agora vai?

Outubro | 2021 | #51 - Acesse:

Infor Channel Digital

Baixe o nosso aplicativo

Google Play
Apple Store

Agenda & Eventos

Cadastre seu Evento