book_icon

Levantamento revela os profissionais de TI com mais chances de emprego

Estudo da Associação Catarinense de Tecnologia indica que empresas vão abrir 16,6 mil novas vagas de trabalho até 2023 – mais da metade para desenvolvedores de software

Levantamento revela os profissionais de TI com mais chances de emprego

Um levantamento da Associação Catarinense de Tecnologia (Acate) mapeou os profissionais de TI mais demandados e quais competências são mais valorizadas pelo mercado. Segundo a pesquisa, empresas da base tecnológica de Santa Catarina vão abrir 16,6 mil novas vagas até 2023 – mais da metade para desenvolvedores de software, os DEVs.

De acordo com o levantamento, as funções mais demandadas são desenvolvedor full stack, back-end e front-end, seguidas por analista de serviços/suporte TI e analista de negócio. Já em relação às competências dos candidatos, as mais exigidas são conhecimentos em metodologias ágeis, experiência profissional na área, habilidade em execução de projetos e domínio de linguagens de programação, além de inglês e formação acadêmica.

A graduação, por exemplo, deixou de ser uma das competências mais requisitadas porque a grade curricular das universidades tradicionais não consegue acompanhar a velocidade do mercado

“Os salários partem de R$ 3 mil e costumam ser três vezes superiores à remuneração média obtida na indústria. São postos que podem representar um ganho significativo para as famílias e auxiliar na retomada econômica no período pós-pandemia. É fundamental o apoio de todos – governo, empresas, entidades e academia – na formação desses profissionais”, reforça Iomani Engelmann, presidente da Acate, em referência à histórica falta de profissionais de TI capacitados no mercado.

Raphaela Penteado, de 24 anos, trabalha como analista de controle de qualidade, uma das profissões da TI em alta, segundo o estudo, na HostGator, provedora mundial de hospedagem de sites e serviços para presença online. Nesse cargo, ela é responsável pelo desenvolvimento e aperfeiçoamento de produtos. Depois de perceber a demanda do mercado e o alto fluxo de contratação, Raphaela buscou seguir na área e se aprofundar nas competências exigidas. “Nunca fiz cursos especializantes, sou autodidata. Fui atrás da informação a partir da volumetria do mercado, entendi as exigências, estudei os conceitos e me lancei a prática”, conta, a hoje graduanda de Engenharia da Computação.

O levantamento da Acate foi feito pela entidade a partir das respostas de 228 empreendedores do setor e com apoio de professores da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), que extrapolaram os dados. A pesquisa também identificou as soft skills (habilidades interpessoais) mais valorizadas pelo mercado: resolver problemas (resposta dada por 90,8% dos respondentes), seguida por trabalho em equipe (78%) e proatividade (68%).

Desenvolvedores

Com relação aos profissionais mais demandados, segundo a pesquisa, os desenvolvedores, a coordenadora de DHO da Supero Tecnologia, Bárbara Daniel Vieira, avalia que a consolidação do trabalho remoto acirrou a disputa por eles: “As empresas brasileiras passaram a concorrer com organizações estrangeiras, que pagam em dólar ou euro, duas moedas valorizadíssimas, em relação ao real”. Segundo Bárbara, os mais experientes, de nível pleno e sênior, sequer têm procurado por oportunidades, pois propostas de trabalho chegam até eles espontaneamente.

Ela enumera algumas formas de as empresas driblarem esta dificuldade: “Aprimorar as ofertas de vagas, dando a possibilidade de jornada de projeto flexível, convênios e descontos comerciais; construir uma boa reputação no mercado, respeitando e apostando na diversidade, com alinhamento de discurso e prática, são diferenciais bem vistos por profissionais. Assim como oferecer apoio para que o colaborador faça cursos longos ou bootcamps em áreas como Ciências de Dados e cibersegurança podem aumentar as chances de contratação”, diz.

Tomás Ferrari, CEO e fundador da GeekHunter, plataforma de recrutamento especializada na contratação de profissionais de tecnologia, explica que, como a tendência é aumentar ainda mais a demanda, as empresas mudaram a forma como procuram e selecionam esses profissionais. A graduação, por exemplo, deixou de ser uma das competências mais requisitadas porque a grade curricular das universidades tradicionais não consegue acompanhar a velocidade do mercado.

“Por isso, cresce o movimento de Edtechs que oferecem cursos intensivos para preparar o profissional para as principais tecnologias que o mercado está precisando”, afirma Ferrari. “Mas, o mais importante é que o profissional precisa ter habilidades interpessoais, saber resolver problemas e ter altíssima adaptabilidade, principalmente porque ele vai precisar se adaptar às mudanças de tecnologias, que ocorrem o tempo todo. Neste contexto, o rápido aprendizado passa a ser essencial”, finaliza.

A analista de controle de qualidade da Hostgator, Raphaela Penteado, aconselha futuros candidatos a uma vaga em TI a estudar o setor, a demanda de trabalho e as hard skills exigidas, além de estarem abertos ao novo, já que o dia a dia da profissão é repleto de desafios. “Tudo o que você precisar aprender aprenderá praticando”, complementa.

Serviço
www.acate.com.br

Associação Catarinense de Tecnologia (ACATE)

Iomani Engelmann

Profissionais de TI

Últimas Notícias
Você também pode gostar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


As opiniões dos artigos/colunistas aqui publicados refletem exclusivamente a posição de seu autor, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte da Infor Channel ou qualquer outros envolvidos na publicação. Todos os direitos reservados. É proibida qualquer forma de reutilização, distribuição, reprodução ou publicação parcial ou total deste conteúdo sem prévia autorização da Infor Channel.
Revista Digital
Edição do mês

Leia nesta edição:

Leia nessa edição sobre tecnologia

CAPA | GESTÃO

A doce ditadura da Governança de Dados

Leia nessa edição sobre carreira

CARREIRA

Profissões do futuro

Leia nessa edição sobre setorial | saúde

SETORIAL

Área pública: desafios e lucros

Esta é para você leitor da Revista Digital:

Leia nessa edição sobre sustentabilidade

LEGISLAÇÃO

LGPD Ano Um: uma construção inacabada

Setembro | 2021 | #50 - Acesse:

Infor Channel Digital

Baixe o nosso aplicativo

Google Play
Apple Store

Agenda & Eventos

Cadastre seu Evento