book_icon

A casa do futuro será tecnológica, revela estudo da Hibou

A automação residencial deve crescer nos próximos 10 anos, com destaque para segurança e o uso de assistentes virtuais

A casa do futuro será tecnológica, revela estudo da Hibou

Como será a residência do brasileiro em 2026 e em 2031? Quais serão as prioridades? O que é apontado como principal desejo em relação à tecnologia, conforto, layout e facilidades dentro dos lares brasileiros? Essas perguntas são respondidas com dados da pesquisa Casa do Futuro, realizada pela Hibou, empresa de pesquisa e monitoramento de mercado e consumo, em julho/2021, com 2.398 pessoas de todo País.

Os dados inéditos do estudo revelam que a segurança, por exemplo, é um quesito importante para os próximos cinco anos para 74,5% dos respondentes. Para 2031, o critério também é apontado por 81,3%. Ainda para os próximos dez anos, 89,2% desejam que as residências tenham fios mais protegidos e menos aparentes enquanto conectam aparelhos diversos e 65,5% pretendem ter um escritório ou espaço próprio para home-office.

Ficar em casa no período de pandemia fez o brasileiro ter descobertas importantes como o cuidado com a propagação do som – tanto o seu, quanto o do vizinho – ou as variações térmicas que eram desconhecidas antes do período de isolamento

“A pesquisa aponta mudanças de comportamento e consumo bem interessantes com o passar dos anos, e, vale ressaltar que a simplicidade, o conforto e a segurança do lar estão em alta entre os brasileiros. A casa do futuro reúne a comodidade de uma casa aconchegante e sustentável com as tendências tecnológicas que, em breve, farão parte da maioria dos lares do Brasil, como o painel solar e a automação residencial”, afirma Ligia Mello, responsável pela pesquisa e sócia da Hibou.

As casas no futuro

Sobre a intenção de consumo do brasileiro, condicionado ao movimento econômico e ao barateamento das tecnologias conforme curva de adoção e produção, foram comparados os períodos de 2021, 2026 e 2031. As porcentagens são cumulativas e alteradas com o passar dos anos. Com a possibilidade de optar por mais de uma resposta, os participantes informaram variação de comportamento para o período atual e para daqui a 5 e a 10 anos. Os temas abordados foram Tecnologia, Conforto, Layout e Facilities.

No quesito Tecnologia, nos três períodos, a pesquisa da Hibou contou com respostas sobre rede elétrica ser mais eficiente para comportar maior demanda de aparelhos, além de maior segurança em relação a pisos antiderrapantes e a comodidade da automação residencial e dos assistentes de voz. Para daqui a dez anos, a segurança, para além da estética na decoração, foi escolha da maioria; e 89,2% demonstraram desejo de poder conectar os aparelhos eletroeletrônicos sem que a fiação elétrica fique à mostra e 75,1% indicaram pisos com antiderrapante para garantir maior segurança e conforto familiar.

Em relação ao conforto do lar, os desejos são direcionados ao uso efetivo da casa e aprendizados provindos da pandemia, período em que notou-se a importância de ter mais espaço para as crianças brincarem e mais organização dos itens em armários. Além destes fatores, as facilidades para a limpeza e maior comodidade para receber os amigos estão entre as principais respostas dos entrevistados.

A maioria dos brasileiros prefere que haja maior circulação de ar seja atualmente, daqui a cinco ou dez anos. Na sequência, a escolha foi por ter um espaço de convivência para a família. Além disso, a luz natural, o espaço fixo para escritório e o local para guardar itens pouco utilizados também foram citados. O comportamento de higienização de sacolas, bolsas e sapatos foi mantido mesmo para os próximos anos, com o desejo de se ter uma área para higienização dos itens na entrada da residência.

Sobre facilities, entre os primeiros lugares está ter mais segurança com o uso de diversos equipamentos, seguido por paredes que sujem menos ou sejam mais fáceis de limpar, além de melhor conforto térmico e isolamento acústico. As facilidades relacionadas à sustentabilidade como reuso de água e energia solar, foram citadas entre aquelas que poderão ser adquiridas nos próximos anos.

“Ficar em casa no período de pandemia fez o brasileiro ter descobertas importantes como o cuidado com a propagação do som – tanto o seu, quanto o do vizinho – ou as variações térmicas que eram desconhecidas antes do período de isolamento”, completa Lígia.

Serviço
www.lehibou.com.br

Casa do futuro

Hibou

Ligia Mello

tecnológica

Últimas Notícias
Você também pode gostar
As opiniões dos artigos/colunistas aqui publicados refletem exclusivamente a posição de seu autor, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte da Infor Channel ou qualquer outros envolvidos na publicação. Todos os direitos reservados. É proibida qualquer forma de reutilização, distribuição, reprodução ou publicação parcial ou total deste conteúdo sem prévia autorização da Infor Channel.