book_icon

MIT e Ericsson pesquisam a próxima geração de redes móveis

A colaboração ocorre em em dois projetos que buscam construir uma nova infraestrutura de rede necessária para capacitar os casos de uso verdadeiramente revolucionários

MIT e Ericsson pesquisam a próxima geração de redes móveis

O Massachussetts Institute of Technology (MIT) e a Ericsson anunciaram que estão colaborando em dois projetos de pesquisa que buscam ajudar a construir uma nova infraestrutura de rede necessária para capacitar os casos de uso verdadeiramente revolucionários da próxima geração de redes móveis. As novas gerações de redes móveis trazem velocidade ultrarrápida, baixa latência e excelente confiabilidade para o usuário final.

Por mais grandes que sejam, as redes ricas em recursos são estruturas complexas de gerenciamento para as operadoras de rede. A Ericsson está trabalhando para pesquisar redes cognitivas, que dependem de Inteligência Artificial (IA) para permitir uma operação de rede segura, altamente automatizada e baseada em dados.

Grandes quantidades de pequenos dispositivos IoT e redes cognitivas impulsionadas por IA são dois impulsionadores do próximo salto tecnológico

Para melhorar o poder de computação, velocidade e eficiência energética de redes cognitivas, a Ericsson Research e o Laboratório de Pesquisa de Materiais do MIT estão colaborando para pesquisar novos projetos em chips litiônicos, que permitem a computação neuromórfica, oferecendo processamento de IA exponencialmente mais eficiente em termos de energia. Isso poderia permitir redes totalmente cognitivas, com complexidade de operação e consumo de energia reduzidos em comparação com os dias de hoje.

Além da pesquisa em litiônica, a Ericsson e o Laboratório de Pesquisa Eletrônica do MIT (RLE) estão colaborando na pesquisa de redes móveis que conectam trilhões de sensores e outros dispositivos de “energia zero”. Ligar esses dispositivos de maneira econômica, possivelmente diretamente por meio de um sinal de rádio, é um desafio tecnológico significativo. A pesquisa da Ericsson e do MIT RLE pode mostrar como os dispositivos podem coletar energia de sinais de rádio e outras fontes, bem como os sistemas podem ser projetados para utilizar essa baixa potência para realizar tarefas simples, incluindo como uma rede móvel pode ser projetada para se conectar e controlar esses dispositivos.

“À medida que os dispositivos conectados com eficiência energética dão o próximo salto, estamos entusiasmados em colaborar com a Ericsson para enfrentar os principais desafios técnicos”, disse Anantha P. Chandrakasan, reitora da Escola de Engenharia do MIT. “Combinando nosso conhecimento com a experiência da Ericsson em tecnologia móvel, pretendemos desenvolver hardware que irá impulsionar novos aplicativos de IA de Borda e dar passos significativos na próxima geração de redes móveis”, comentou.

“O 5G está popularizando a Internet das Coisas (IoT) e nos aproximando de um mundo verdadeiramente conectado”, disse Magnus Frodigh, chefe da Ericsson Research. “Grandes quantidades de pequenos dispositivos IoT e redes cognitivas impulsionadas por IA são dois impulsionadores do próximo salto tecnológico. Trabalhando com as equipes brilhantes do MIT, esperamos desenvolver o hardware que tornará isso possível”, pontuou.

Serviço
www.mit.edu
www.ericsson.com

Ericsson

IA

infraestrutura

IoT

MIT

Neuromórfica

pesquisa

rede móvel

As opiniões dos artigos/colunistas aqui publicados refletem exclusivamente a posição de seu autor, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte da Infor Channel ou qualquer outros envolvidos na publicação. Todos os direitos reservados. É proibida qualquer forma de reutilização, distribuição, reprodução ou publicação parcial ou total deste conteúdo sem prévia autorização da Infor Channel.
Revista Digital

Agenda & Eventos

Cadastre seu Evento