book_icon

ICTS Protiviti: pandemia desafiou o setor de saúde com novas políticas e condições de mercado

Diferente do ano anterior, que apontava os riscos operacionais como alvos, neste ano, a pandemia forçou uma rápida adaptação do setor de saúde, que apesar dos riscos latentes, também terá grandes oportunidades se acompanharem as mudanças

ICTS Protiviti: pandemia desafiou o setor de saúde com novas políticas e condições de mercado

A tradicional pesquisa da consultoria global ICTS Protiviti, que divulga a lista dos dez maiores riscos do ano com base na percepção geral de 1.081 executivos de diferentes setores do mundo todo, traz neste ano estudos setorizados, entre eles, o do mercado de saúde. Nomeado Top Risks Health, a pesquisa também foi inovada para uma visão de longo prazo e, nesta versão, considera o cenário para 2021 e 2030.

A pandemia trouxe desafios e forçou as instutuições a reagirem rápido. Telessaúde, monitoramento remoto de pacientes e acesso a serviços virtuais, como o gerenciamento de doenças crônicas e a manutenção da saúde mental, chegaram para ficar. “Para atingir estas expectativas, é essencial promover a coordenação dos cuidados, incluindo fontes pagadoras, hospitais, laboratórios, médicos e fornecedores. Por isso, há um grande movimento no sentido da criação de plataformas de saúde, que considerem todos os elos de cuidado como a jornada completa do paciente”, explica Pedro Barra, gerente sênior de riscos e performance da ICTS Protiviti, empresa especializada em soluções para gestão de riscos, compliance, auditoria interna, investigação, proteção e privacidade de dados.

A pandemia deixa o protagonismo e cede espaço para o futuro do trabalho e o risco de tecnologias e abordagens disruptivas dificultarem a própria existência das organizações no futuro  

Segundo o especialista, nesta situação, a transformação organizacional pode ser uma questão de sobrevivência ou de valorização do ativo. “É necessário aproveitar as informações do paciente de maneira inteligente, com foco na melhor experiência e na promoção do cuidado. Junto a isso, vêm as atenções com a privacidade e a proteção dessas informações”, comenta. Neste cenário, é preciso pensar numa abordagem de proteção de valor por meio da gestão de riscos e das mudanças, assim como da melhoria da eficiência. “Há riscos latentes, mas também grandes oportunidades para os que acompanharem as mudanças e se adaptarem”, conclui Barra.

A lista dos 10 principais riscos para 2021 e as tendência do ano são:
1. Políticas e regulamentações relacionadas à pandemia impactam o desempenho dos negócios;
2. Condições de mercado relacionadas à pandemia reduzem a demanda do cliente;
3. Impacto da mudança regulatória e do aumento do escrutínio regulatório pode afetar a maneira como os produtos e serviços são oferecidos;
4. A adoção de tecnologias digitais pode exigir novas habilidades ou esforços significativos para melhorar e requalificar os funcionários existentes;
5. As condições econômicas restringem as oportunidades de crescimento;
6. Ameaças cibernéticas;
7. Privacidade e gerenciamento de identidade e segurança da informação;
8. Incertezas em torno da viabilidade dos principais fornecedores, escassez de fornecimento ou preços estáveis;
9. Aumento dos custos trabalhistas;
10. Capacidade de competir com “nascidas digitais” e outros concorrentes.

Olhando para o futuro, os líderes da indústria estão se preparando para os próximos desafios esperados, como a necessidade crescente de funcionários com novas habilidades para lidar com inovações tecnológicas disruptivas, visto que há previsão da Inteligência Artificial e de outros avanços digitais deslocarem trabalhares e criarem milhões de novos empregos. Além disso, a necessidade de segurança de dados e a cibersegurança não deve diminuir, permanecendo na lista de preocupações. Por isso, a construção da resiliência organizacional e de uma cultura inovadora é um imperativo.

Pesquisa aponta tendências globais e do Brasil para 2030
O estudo divulgado neste ano também traz uma visão de longo prazo, que considera as as principais preocupações para o ano de 2030. A pandemia deixa o protagonismo e cede espaço para o futuro do trabalho e o risco de tecnologias e abordagens disruptivas dificultarem a própria existência das organizações no futuro. Para 2030, as cinco principais preocupações são:

1. A adoção de tecnologias digitais pode exigir novas habilidades e esforços para requalificar os funcionários existentes;
2. Impacto da mudança regulatória e do aumento do escrutínio regulatório pode afetar a maneira como os produtos e serviços são oferecidos;
3. Privacidade e gerenciamento de identidade e segurança da informação ;
4. A velocidade rápida de inovação disruptiva pode superar nossa capacidade de competir;
5. Facilidade de entrada de novos concorrentes na indústria podem ameaçar o mercado.

Icts Protiviti

pandemia

Pedro Barra

setor de saúde

Top Risks Health

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


As opiniões dos artigos/colunistas aqui publicados refletem exclusivamente a posição de seu autor, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte da Infor Channel ou qualquer outros envolvidos na publicação. Todos os direitos reservados. É proibida qualquer forma de reutilização, distribuição, reprodução ou publicação parcial ou total deste conteúdo sem prévia autorização da Infor Channel.
Revista Digital
Edição do mês

Leia nesta edição:

Leia nessa edição sobre tecnologia

CAPA | GESTÃO

A doce ditadura da Governança de Dados

Leia nessa edição sobre carreira

CARREIRA

Profissões do futuro

Leia nessa edição sobre setorial | saúde

SETORIAL

Área pública: desafios e lucros

Esta é para você leitor da Revista Digital:

Leia nessa edição sobre sustentabilidade

LEGISLAÇÃO

LGPD Ano Um: uma construção inacabada

Setembro | 2021 | #50 - Acesse:

Infor Channel Digital

Baixe o nosso aplicativo

Google Play
Apple Store

Agenda & Eventos

Cadastre seu Evento