book_icon

Inteligência Artificial e biologia sintética criarão milhões de empregos até 2030

Dados do Fórum Econômico Mundial presentes na pesquisa estimam que essas tecnologias, ao lado de nanociência e Computação Quântica, marcarão próxima onda de inovação tecnológica. Revolução terá impactos maiores do que os criados pelas tecnologias digitais

Inteligência Artificial e biologia sintética criarão milhões de empregos até 2030

Estudo do Boston Consulting Group, Looking to Nature for the Next Industrial Revolution, revela que a próxima onda de inovação tecnológica será marcada por avanços em campos que vão desde a Inteligência Artificial à biologia sintética, passando pela nanociência e Computação Quântica. O Fórum Econômico Mundial prevê que esse processo disruptivo possa levar a oportunidades de negócios anuais no valor de US$ 10 trilhões e criar 395 milhões de empregos até 2030.

Enquanto isso, o BCG estima que essa revolução terá um impacto em mais de US$ 30 trilhões nas atividades econômicas nos próximos 30 anos, valor que equivale a 40% do PIB global atualmente. Para empresas em setores como o farmacêutico, químico, de agricultura, abastecimento de alimentos, manufatura e advanced materials essa revolução é maior do que qualquer outra que as tecnologias digitais criaram.

Para entender o impacto deste ciclo, o estudo considera como exemplo o processo para a produção de fertilizantes de amônia e nitrogênio  

Esse processo de revolução envolve quatro características: a abordagem de tecnologia profunda; a capacidade de manipular matéria inorgânica e orgânica no nível atômico; o uso do princípio de design da natureza e capacidade de fabricação; além da criação de uma oportunidade de negócio com potencial significativo para o avanço da sustentabilidade. Juntas, elas formam um ciclo de design-construção-teste-aprendizado na natureza, chamado design-build-test-learn (DBTL), em inglês.

Para entender o impacto deste ciclo, o estudo considera como exemplo o processo para a produção de fertilizantes de amônia e nitrogênio. Esse processo requer grandes quantidades de energia para converter o nitrogênio atmosférico em amônia, consumindo de 3% a 5% do suprimento mundial de gás natural e cerca de 1% a 2% do suprimento total de energia do mundo. Além disso, é responsável por mais de 1% de todas as emissões de CO2, e suas emissões de N2O são 250 a 300 vezes mais potentes do que o CO2 na contribuição para o aquecimento global. Mais de 50% do nitrogênio sai das lavouras, contaminando as fontes de água.

Isso, no entanto, mudou quando foi possível projetar microrganismos para substituir fertilizantes químicos. Empresas passaram a usar técnicas de edição de genes, por meio do ciclo DBTL para projetar novos organismos, até que identificaram cepas bacterianas que podem fixar nitrogênio diretamente nas raízes das plantas. Isso é capaz de reduzir a dependência da agricultura de fertilizantes de nitrogênio, cortar as emissões de efeito estufa, reduzir a poluição da água e aumentar a eficiência agrícola. Entre outros exemplos dessa revolução industrial da natureza está o aproveitamento de inteligência artificial e automação para descobrir produtos químicos e materiais avançados, bem como desbloquear o potencial de nanopartículas. Ou ainda a reciclagem de resíduos de processos industriais para fermentar combustível, proteínas, fibras e materiais.

Essa revolução promete estabelecer e manter uma relação muito diferente com a natureza daquela que as empresas têm há séculos, mudando a mentalidade de inovação empresarial de exploradora para produtiva. Em vez de reunir e usar a produção da natureza, ou simplesmente explorar a natureza para resolver problemas, os empresários, cientistas e engenheiros de hoje estão utilizando uma compreensão mais profunda das leis da natureza para projetar e fabricar tipos de produtos completamente novos de maneira sustentável.

Como acontece com outros aspectos da tecnologia, a maioria das empresas não consegue dominar esse processo revolucionário por conta própria. Por isso, esse processo exige que governos e instituições continuem a apoiar e promover a pesquisa básica, ajudando a construir a infraestrutura e definir os padrões necessários para sustentar uma base industrial distribuída e mais resiliente. Governos e instituições também desempenharão um papel crucial na definição de regulamentos e normas éticas, a fim de combater os medos e a desinformação que podem ameaçar a aceitação pública dos movimentos transformadores.

Serviço
www.bcg.com

 

Boston Consulting Group

computação quântica

Fórum Econômico Mundial

Inteligência Artificial e biologia sintética

Looking to Nature for the Next Industrial Revolution

nanociência

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


As opiniões dos artigos/colunistas aqui publicados refletem exclusivamente a posição de seu autor, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte da Infor Channel ou qualquer outros envolvidos na publicação. Todos os direitos reservados. É proibida qualquer forma de reutilização, distribuição, reprodução ou publicação parcial ou total deste conteúdo sem prévia autorização da Infor Channel.
Revista Digital
Edição do mês

Leia nesta edição:

Leia nessa edição sobre tecnologia

ENCARTE - ESPECIAL DISTRIBUIÇÃO

Prêmio Excelência em Distribuição, e listagem de distribuidores de TIC

Leia nessa edição sobre carreira

ANÁLISES

Evoluções digitais

Leia nessa edição sobre setorial | saúde

TECNOLOGIA

Arquitetura descentralizada

Esta é para você leitor da Revista Digital:

Leia nessa edição sobre sustentabilidade

QUALIFICAÇÃO

Na jornada do conhecimento

Junho| 2021 | #47 - Acesse:

Infor Channel Digital

Baixe o nosso aplicativo

Google Play
Apple Store

Agenda & Eventos

Cadastre seu Evento