book_icon

Crédito, débito ou Pix?

Praticamente quatro meses se passaram desde a estreia do Pix. Aos poucos, a novidade foi ganhando o espaço prometido: substituir DOC ou TED na transferência de valores entre pessoas físicas. Segundo informações divulgadas pelo Banco Central, o número de transações do novo serviço instantâneo em janeiro superou a marca dos 200 milhões e ultrapassou as transferências realizadas pelos modelos tradicionais. Com essa fase relativamente consolidada, os debates se concentram em entender o porquê a adesão no varejo não foi tão forte nesse mesmo período.

Para fazer o Pix ser realidade nas compras, são necessárias duas frentes de atuação neste momento: educar o varejista e engajar o consumidor. Para a primeira, o setor já começa a se movimentar. Workshops, lives com especialistas e criação de conteúdo unem forças ao surgimento de novas soluções para integrar o Pix de forma simples e eficiente nos PDVs e e-commerces. Nos últimos meses, vimos surgir novas soluções na indústria e atualizações de ferramentas para colocar o Pix no QR Code e no link de pagamento, entre outros, e fazer a conciliação dos recebíveis em uma plataforma única para o varejista. Toda inovação é pensada para simplificar a vida do comerciante, que não pode enxergar no Pix um gargalo para a gestão do seu negócio.

Oferecer o Pix é mandatório para atrair o cliente cada vez mais exigente em relação à experiência de compra, proporcionando mais facilidade, versatilidade e agilidade. Há tempos se entende a importância de oferecer o maior leque de formas de pagamentos possível, pois isso pode definir a compra, ou não, do cliente na loja. Da base de clientes da Linx Pay Hub, fintech da Linx, que atua em tecnologias para o varejo, cerca de 15% a 20% dos clientes já fizeram a integração para o Pix em suas plataformas.

Do outro lado do balcão, a segunda frente é olhar para o consumidor, criando um ecossistema em torno do Pix que o torne realmente mais vantajoso para as compras. Já provamos que o brasileiro se engaja quando vê benefícios – a instantaneidade e isenção de taxas cobradas para as transferências entre bancos foi um acelerador para o sucesso do Pix na substituição de DOC e TED.

A verdade é que o Pix vai precisar de um estímulo intenso para competir com os meios de pagamentos já consolidados. Hoje, as bandeiras de cartões de crédito e as carteiras digitais oferecem uma série de benefícios para quem opta por eles, com descontos especiais, isenção na compra de ingressos, acesso a espaços VIPs, cashback, programa de milhas e muitos outros. Os planos de benefícios e fidelidade são extensos e muito populares.

Para posicionar o Pix nessa briga, a missão deve ficar por conta dos bancos e fintechs, que, agora, protagonizam o centro dessas transações, sem a necessidade de adquirentes e bandeiras na jogada. Criar programas de incentivo e uma experiência fluída para fomentar o uso do Pix será determinante para essa nova modalidade de pagamento se consolidar no varejo.

A chegada do Pix no setor varejista é apenas uma questão de tempo – o comerciante está em uma jornada de implementação gradual. Mas, é preciso agilidade para atrair o consumidor e fazer com que a pergunta na hora do pagamento seja, finalmente, “crédito, débito ou Pix?”

Por Denis Piovezan, VP da Linx Pay Hub

Crédito

débito ou Pix

Denis Piovezan

VP da Linx Pay Hub

Últimas Notícias
Você também pode gostar
As opiniões dos artigos/colunistas aqui publicados refletem exclusivamente a posição de seu autor, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte da Infor Channel ou qualquer outros envolvidos na publicação. Todos os direitos reservados. É proibida qualquer forma de reutilização, distribuição, reprodução ou publicação parcial ou total deste conteúdo sem prévia autorização da Infor Channel.
Revista Digital

Agenda & Eventos

Cadastre seu Evento