book_icon

Mulheres na tecnologia: como está a presença delas no mercado de TI?

Com a aproximação do Dia Internacional da Mulher, debates necessários são trazidos, como a representação feminina em determinados setores. Na área de ciência e tecnologia, por exemplo, a presença das mulheres é grande, mas ainda existe preconceito contra a ocupação delas nesses espaços. Uma pesquisa da Women in Tech, do Reino Unido, aponta que apenas um em cada seis especialistas em tecnologia no País são mulheres e um em cada dez está em cargos de liderança em TI. No Brasil, segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD), apenas 20% dos profissionais de TI representam a participação feminina.

Ainda de acordo com a Women In Tech, a pesquisa britânica indica que a economia do país poderia se beneficiar se mais mulheres trabalhassem no setor de TI, por apresentarem melhores habilidades de comunicação e ideias mais inovadoras, por exemplo. O mundo dos games é outro exemplo claro. De acordo com a Pesquisa Game Brasil do ano passado, 69,8% das brasileiras jogam algum tipo de jogo eletrônico e, dentre os gamers, a presença feminina representa a maioria, com 53,8% das jogadoras, que podem ser classificadas como casuais e “hardcore”. Apesar disso, ainda existe grande preconceito contra eles, advindo principalmente de jogadores homens.

Segundo as ONU e a Unesco, a igualdade de gênero é uma das prioridades para os próximos anos. Os efeitos da pandemia, em que muitas mulheres tiveram que se dividir em tarefas domésticas, trabalho em casa e criação de filhos em tempo integral, acenderam um sinal de alerta para as conquistas das mulheres. Podemos destacar também a Agenda Educação 2030, que se refere ao compromisso do movimento Educação para Todos (Education for All) em garantir o acesso à educação básica em todo o mundo. Esse movimento reforça o fato de que a igualdade de gênero exige que meninas e meninos, mulheres e homens sejam empoderados na educação e por meio dela, ao mesmo tempo em que têm pleno acesso aos ciclos completos de ensino. Quando se trata de tecnologia, esse tópico é essencial, pois as meninas são menos incentivadas a estudar a computação e seguir essa carreira, em comparação com os meninos.

Quando olhamos para grandes empresas de tecnologia, no Brasil e no mundo, encontramos várias mulheres em cargos de chefia e presidências. Aqui, temos Kátia Ortiz, gerente-geral da operação brasileira da ServiceNow, bem como Marcelle Paiva, COO da Oracle. Ao redor do mundo, podemos encontrar Lisa Su, CEO da AMD e Ginni Rometty, da IBM, considerada pioneira na empresa. Estes são alguns dos vários exemplos para mulheres jovens e adultas, de que podem e devem estar onde quiserem, ainda que o local seja predominantemente masculino.

Focando na Dra. Lisa Su, que foi considerada uma das mulheres mais poderosas do mundo pela Fortune, a CEO, uma imigrante taiwanesa nos Estados Unidos, assumiu a AMD em 2014, onde encontrou o valor da empresa girando em torno de US$ 2 bilhões. Em quase sete anos, esse número ultrapassou a marca de US$ 90 bilhões, representando o crescimento exponencial da companhia no mercado. Para uma empresa focada em movimentos de inovação, diversidade e inclusão como parte da cultura, desde 2018, a AMD revisa anualmente suas métricas e estratégias de Diversidade, Pertencimento e Inclusão e, em 2019, foi selecionada para o Índice de Igualdade de Gênero Bloomberg (GEI), junto com 230 companhias. É fato que empoderar os colaboradores, com transparência e políticas consistentes de igualdade de gênero, pode tornar qualquer empresa mais inovadora, produtiva e eficaz.

Por Priscila Bianchi, gerente de vendas na AMD

 

gerente de vendas na AMD

Lisa Su

mercado de TI

Mulheres na Tecnologia

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD)

Priscila Bianchi

Reino Unido

Women in Tech

Últimas Notícias
Você também pode gostar

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


As opiniões dos artigos/colunistas aqui publicados refletem exclusivamente a posição de seu autor, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte da Infor Channel ou qualquer outros envolvidos na publicação. Todos os direitos reservados. É proibida qualquer forma de reutilização, distribuição, reprodução ou publicação parcial ou total deste conteúdo sem prévia autorização da Infor Channel.
Revista Digital
Edição do mês

Leia nesta edição:

Leia nessa edição sobre tecnologia

CAPA | PRÊMIO A ESCOLHA DO LEITOR

As indicações do usuário

Leia nessa edição sobre carreira

CÓDIGO ABERTO

Kubernetes rumo à Nuvem

Leia nessa edição sobre setorial | saúde

LEGISLAÇÃO

Importações desafiam as empresas

Esta é para você leitor da Revista Digital:

Leia nessa edição sobre sustentabilidade

COMUNICAÇÕES

5G: Será que agora vai?

Outubro | 2021 | #51 - Acesse:

Infor Channel Digital

Baixe o nosso aplicativo

Google Play
Apple Store

Agenda & Eventos

Cadastre seu Evento