book_icon

Cibersegurança e as prioridades de Telecomunicações

Entre os grandes impactos da ascensão das tecnologias digitas, um dos que mais afetaram a rotina do planeta é a facilidade que temos para que novos serviços e ofertas sejam criados diariamente. Por meio de sistemas colaborativos e da Nuvem, por exemplo, estamos avançando rapidamente em demandas que até pouco tempo atrás pareciam impossíveis. O outro lado da moeda, no entanto, é que a digitalização também tem feito com que a proteção das informações se tornasse uma tarefa cada vez mais complexa e fundamental para todos.

É esse panorama, agora, que tem colocado as empresas de telecomunicações e prestadoras de serviços (como as provedoras de Internet) em uma posição-chave em relação às demandas por proteção de dados. Afinal de contas, é por meio dos serviços dessas companhias que empresas e pessoas estão, ininterruptamente, movimentando suas informações.

Para acompanhar a digitalização, as companhias de Telecom e provedoras de serviços na área estão investindo em uma grande mudança no modelo de negócios do segmento de telecomunicações – que inclui cada vez menos o telefone em si, diga-se -, permitindo avanços e inovações com enorme potencial para transformar a comunicação das pessoas e a realidade dos negócios a partir das telecomunicações.

Alguns exemplos desse processo evolutivo são a criação de APIs que facilitam a troca de informações entre consumidores e empresas, uso de ferramentas de Internet das Coisas e Inteligência Artificial para o gerenciamento de cadeias de suprimentos e, ainda, as redes 5G, que certamente ajudarão a escalar inúmeras oportunidades que, atualmente, sequer podemos imaginar.

Todos esses avanços são importantes. No entanto, a verdade é que elas não bastam, e precisam incluir a segurança das informações. Está na hora de fornecedoras e prestadoras de serviços de Telecom entenderem a importância da cibersegurança e ampliarem suas camadas de proteção disponíveis para os clientes, também nas relações de B2B.

Em paralelo às possibilidades de inovação, portanto, é essencial que as companhias também reinventem seus modelos do ponto de vista da segurança cibernética, agregando valor às ofertas a partir de opções que ampliem a proteção disponível para atender o mercado B2B em sua demanda por confiabilidade, eficiência e disponibilidade. Até porque, vale sempre destacar, à medida que os serviços avançam, os consumidores também serão obrigados a buscar soluções que, de fato, ajudem a garantir mais proteção aos dados de seus próprios negócios.

A Transformação Digital do mercado traz diariamente avanços e riscos. E esse é um ponto no qual as empresas de telecomunicações e a cadeia de oferta de serviços associada a esse segmento não podem mais negligenciar, se quiserem manter a confiança dos clientes.

Além de operar redes complexas e armazenar grandes quantidades de dados confidenciais associados a indivíduos e empresas, essas organizações devem agir rapidamente para mitigar as brechas e dirimir as vulnerabilidades que porventura possam colocar em risco as equipes e consumidores. Isso passa, no caso, por ampliar seu olhar e incluir a cibersegurança como um componente estratégico de suas ofertas.

Assim como os cibercriminosos estão continuamente aprimorando e evoluindo suas capacidades para explorar novas vulnerabilidades, os líderes de negócios das companhias de Telecom e das fornecedoras do ecossistema como um todo precisam se preparar recorrentemente para lidar com essas ameaças e proteger o cliente de maneira nativa e constante. Evitar problemas exigirá aquisição de talentos e esforços de investimento com uma oferta que não contemple apenas um lado da história – mas também consiga proteger os ativos de ameaças e vulnerabilidades.

A indústria de telecomunicações sempre esteve e está na vanguarda da inovação tecnológica, alavancando tecnologias dos mais diversos tipos. Será assim, mais uma vez, com as inovações da Internet das Coisas (IoT), Nuvem e 5G, entre outras. Agora, porém, elas também são chamadas a considerar soluções de segurança cibernética para melhorar seus serviços e atender seus clientes de forma efetiva.

A pandemia do coronavírus acelerou muitas mudanças, e a segurança digital certamente será cada vez mais uma prioridade empresarial. Afinal, vivemos hoje no mundo conectado e on-line que sempre desejamos. Com proteção, os avanços tecnológicos podem nos levar a um outro patamar de resultados e de produtividade. Resta saber se alguém ainda vai querer corres riscos nessa jornada.

Por Anderson França, CEO da Blockbit

Anderson França

APIs

CEO da Blockbit

cibersegurança

Nuvem

prioridades de Telecomunicações

redes 5G

Transformação Digital

As opiniões dos artigos/colunistas aqui publicados refletem exclusivamente a posição de seu autor, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte da Infor Channel ou qualquer outros envolvidos na publicação. Todos os direitos reservados. É proibida qualquer forma de reutilização, distribuição, reprodução ou publicação parcial ou total deste conteúdo sem prévia autorização da Infor Channel.
Revista Digital

Agenda & Eventos

Cadastre seu Evento