book_icon

Brasil melhora no Ranking de Competitividade Digital

Mesmo com a pandemia de Covid-19, País subiu 6 posições e ocupa agora o 51º lugar entre os 63 países pesquisados
Brasil melhora no Ranking de Competitividade Digital

O Brasil subiu seis posições no Ranking de Competitividade Digital e se encontra agora na 51ª posição. Em quatro anos de divulgação do relatório, o País sempre esteve nas piores avaliações entre os 63 países estudados – 55ª posição em 2017, depois caiu para o 57º lugar em 2018, onde permaneceu em 2019. Porém, o resultado desse ano traz uma melhora de posição, mas ainda abaixo do Chile, por exemplo, que ocupa a 41ª posição, a melhor entre os países da América Latina. A pior avaliação é da Venezuela. O ranking é feito pelo Núcleo de Competitividade Global do IMD, escola de negócios da Suíça, em parceria com a Fundação Dom Cabral e apoio do Movimento Brasil Digital (MBD).

O estudo mostrou que uma das grandes dificuldades do Brasil ainda é sustentar o ritmo de avanço 

Segundo o estudo, o Brasil se destacou em medidas como os ganhos em relação à concentração científica, estrutura regulatória, capital e agilidade para negócios. Esta última, em especial, apresentou avanços na maioria de seus componentes, entre eles a transferência de conhecimento entre universidades e setor privado e a agilidade das empresas. Ainda assim, para o professor Carlos Arruda, coordenador do Núcleo de Inovação e Empreendedorismo da Fundação Dom Cabral, há muito a ser feito para que o País mantenha avanços sustentáveis no cenário mundial e amplifique sua competitividade.
Para fazer a avaliação, levou-se em consideração a análise de três fatores: O conhecimento necessário para descobrir, compreender e construir novas tecnologias; as condições gerais que possibilitam o desenvolvimento de tecnologias digitais; e o nível de preparo para explorar as Transformações Digitais.
“O avanço do Brasil no Ranking de Competitividade Digital 2020 está atrelado ao ganho de posições para o fator de conhecimento, tendo sido mantida estabilidade nos demais fatores. Se analisarmos os dados dos últimos cinco anos, observamos que o País parece se recuperar de uma perda anterior para conhecimento, mas enfrenta dificuldades para sustentar o ritmo de avanço no nível de preparo para explorar as transformações digitais no futuro”, avalia Arruda.
“O estudo mostrou que uma das grandes dificuldades do Brasil ainda é sustentar o ritmo de avanço. A Covid-19 acelerou o processo de Transformação Digital de muitas empresas, sob o risco de deixar de fora do mercado aquelas que não se adequassem de maneira ágil e eficiente à situação. Longe de ser o ideal, já que estamos falando de um movimento forçado causado por uma pandemia, mas a expectativa é que essa aceleração se reflita em ganhos de competitividade”, avalia Vitor Cavalcanti, diretor executivo do Movimento Brasil Digital.
Análise
O fator conhecimento, responsável pela subida do País no ranking, é composto por três subfatores: talento, preparo e educação e concentração científica. Apesar de configurar entre os 10 países que mais investem publicamente em educação (9º), o Brasil apresenta um dos piores resultados no Programa Internacional de Avaliação de Estudantes (PISA) para a disciplina de matemática, ocupando a 55ª posição. Da mesma forma, a taxa aluno-professor (46º), a realização de educação superior (56º) e as graduações na área de ciências (55º) também não apontam na mesma direção que a dimensão dos gastos públicos em educação.
“Por outro lado, os componentes da concentração científica apontam bons resultados: o País é o 8º com maior participação das mulheres nas pesquisas científicas, apesar de 51º para mulheres graduadas, o 9º com maior produtividade da P&D por publicação e o 14º com maior emprego de robôs na educação e P&D. Esses dados refletem os gastos totais com P&D (31º), apesar da baixa composição de pessoal de P&D (44º) e baixa empregabilidade técnica-científica (40º) relativas”, diz Arruda.
Componentes do subfator talento apontam a percepção negativa do empresariado brasileiro em relação à suficiência da experiência internacional dos administradores (58º), atratividade de pessoal qualificado estrangeiro (58º), eficiência da gestão das cidades para incentivo do desenvolvimento de negócios (60º) e disponibilidade de mão de obra digital-tecnológica (62º). Ao mesmo tempo, o empresariado admite que o treinamento profissional não é uma prioridade nas empresas (59º).
Serviço
www.imd.org
www.fdc.org.br
 

Brasil

Carlos Arruda

Fundação Dom Cabral

IMD

Movimento Brasil Digital

Ranking Global de Competitividade Digital

Vitor Cavalcanti

Comentários

Os comentários estão fechados nesse post.
As opiniões dos artigos/colunistas aqui publicados refletem exclusivamente a posição de seu autor, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte da Infor Channel ou qualquer outros envolvidos na publicação. Todos os direitos reservados. É proibida qualquer forma de reutilização, distribuição, reprodução ou publicação parcial ou total deste conteúdo sem prévia autorização da Infor Channel.
Revista Digital

Agenda & Eventos

Cadastre seu Evento