book_icon

Como o Blockchain deve revolucionar a logística no mundo?

Especialista da IBM explica como a adoção de blockchain representa uma mudança na forma de fazer negócios e na colaboração e confiança em toda a cadeia de suprimentos global
Como o Blockchain deve revolucionar a logística no mundo?

A movimentação do comércio global de mercadorias e insumos provoca uma série de transações complexas com uma quantidade, cada vez maior, de informações. Neste cenário, a adoção do conceito de blockchain está revolucionando o setor de logística em todo o mundo. Isso porque a nova tecnologia permite, por meio de técnicas criptográficas, a agilização e a transparência destas transações comerciais que acontecem todos os dias.
Uma estimativa do World Trade Organization sugere que o investimento na melhoria no processamento de dados e no fluxo de documentos aliados com novas tecnologias podem significar um aumento de 20% no comércio global de suprimentos, que hoje movimenta 18 trilhões de dólares a cada ano.
Para entender como o blockchain pode influenciar uma mudança nos negócios da logística no mundo, o Brasil Hack Export – super maratona tecnológica online voltada para o desenvolvimento de soluções para a cadeia logística portuária no País e parte da programação do Fórum Nacional Brasil Export em 2020 – apresentou nesta segunda (06) um webinar com o tema “Tradelens – como a plataforma Blockchain pode revolucionar a logística mundial” .
A atividade online foi realizada com o Blockchain Services Leader para a América Latina na IBM, Carlos Henrique “Kiko” Duarte, com moderação do Conselheiro do Fórum Brasil Export e diretor-executivo da Associação Brasileira de Terminais e Recintos Alfandegados (ABTRA), Angelino Caputo. O encontro virtual, que foi exclusivo para patrocinadores e conselheiros do Fórum, contou com a participação também do diretor-presidente e CEO da Abol – Associação Brasileira de Operadores Logísticos, Cesar Meireles.
O especialista da IBM explicou que o conceito de blockchain na rede de negócios da cadeia de suprimentos global é capaz de promover a troca mais eficiente e segura de informações. “Cada ator envolvido na cadeia logística possui o próprio registro de dados das transações, o que pode criar problemas de ineficiência na disponibilidade e na vulnerabilidade das informações. O conceito do blockchain promove entre os participantes de uma rede de negócios a transação de ativos baseada em regras pré-estabelecidas por meio de um contrato e registrada em um livro único contábil (ledger) compartilhado. Tudo isso em uma arquitetura tecnológica com validação criptográfica, que é fundamental para a segurança”.
Duarte ainda apresentou para os participantes do webinar a plataforma digital TradeLens, criada em conjunto pela Maersk e IBM, baseada em blockchain. Segundo ele, a plataforma nasceu com a ideia de otimizar o desembaraço de contêineres nos processos de importação e exportação, de forma segura, direta e simplificada, permitindo a colaboração entre parceiros comerciais em tempo real e ‘digitizando’, ou seja transformando em digital, os fluxos de documentação comercial.
“O sistema reúne hoje mais de 50 portos e terminais de diferentes países da América Latina. No Brasil, a plataforma está inserida em três terminais: nos portos de Pecém (Ceará), Itajaí (Santa Catarina) e Santos (São Paulo)”, afirmou o especialista da IBM.
A plataforma TradeLens incentiva a inovação, uma vez que possibilita a integração de outras tecnologias de terceiros e dos próprios participantes da rede de negócios, como a Internet das Coisas (IoT)), soluções de Big Data e de Inteligência Artificial. “Por exemplo, em um teste no transporte de rosas foi possível, por meio de soluções IoT, a implantação de cadeados eletrônicos, GPS e controle de temperatura nos contêineres, registrados e acompanhados em tempo real pela plataforma”, disse Duarte.
Para ele, a matemática do blockchain é simples: “mais eficiência implica no aumento da quantidade de transações em si na rede de negócios porque a tendência é que menos complexidade é igual a fazer mais e melhor”.
A Abol – Associação Brasileira dos Operadores Logísticos, sociedade civil sem fins lucrativos, tem o objetivo de reconhecer, regulamentar e consolidar a atividade do Operador Logístico no Brasil. A empresa elabora projetos e estudos em vários cenários, resgatando o contexto histórico, cotejando-o com o presente e as tendências do futuro. Atualmente, a associação é composta por 29 Operadores Logísticos, entre empresas nacionais e estrangeiras, que atuam nas mais diversas cadeias produtivas, abrangendo atividades de transportes em qualquer modal, a movimentação de carga, armazenagem, gestão de estoque, expedição, e distribuição de cargas em todo o território nacional.
 

Abol

Angelino Caputo

Blockchain

Carlos Henrique "Kiko" Duarte

Cesar Meireles

Fórum Nacional Brasil Export em 2020.

IBM

logística no mundo

técnicas criptográficas

webinar

World Trade Organization

Últimas Notícias
Você também pode gostar

Comentários

Os comentários estão fechados nesse post.
As opiniões dos artigos/colunistas aqui publicados refletem exclusivamente a posição de seu autor, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte da Infor Channel ou qualquer outros envolvidos na publicação. Todos os direitos reservados. É proibida qualquer forma de reutilização, distribuição, reprodução ou publicação parcial ou total deste conteúdo sem prévia autorização da Infor Channel.
Revista Digital

Agenda & Eventos

Cadastre seu Evento