book_icon

Angola Cables: ação de Pesquisa e Educação é estendida até a África do Sul

Rota de baixa-latência vai incentivar engajamento de instituições de pesquisa para soluções de problemas globais da ciência
Angola Cables: ação de Pesquisa e Educação é estendida até a África do Sul

A Angola Cables, multinacional de telecom, em parceria com a Universidade Internacional da Flórida (FIU) dos EUA, a Rede Nacional de Ensino e Pesquisa (RNP) do Brasil e a Rede Terciária de Educação e Pesquisa da África do Sul (TENET/SANReN) anunciam a ativação de uma rota digital entre as Américas até a África, para promover colaboração entre redes científicas e acadêmicas a nível intercontinental. A rota terá capacidade inicial de 100Gbps e será conectada por meio dos cabos submarinos Monet, SACS e WACS pertencentes à multinacional. Estas iniciativas fazem parte do projeto da Américas África Research and eduCation Lightpaths (AARCLight).
Considerando o debate científico global da atualidade, este alinhamento entre entidades de elevado prestígio internacional irá aportar sinergias no desenvolvimento de vários campos de investigação das ciências, como física, astronomia e biologia.
A Angola Cables, o centro de excelência em pesquisa desenvolvido pela Universidade Internacional da Florida (Ampath) e a Rede Nacional de Ensino e Pesquisa do Brasil, já estavam conectadas, inicialmente a 200Gbps, por meio do cabo Monet. Agora, com o projeto Amlight-SACS, a nova rota de 100Gbps será estendida desde Fortaleza, no Brasil (cidade onde atraca o cabo SACS e se situa o Data Center AngoNAP da multinacinal), até ao ponto de troca aberto (ZAOX) na Cidade do Cabo, na África do Sul. A conexão trará benefícios com relação à redundância e à resiliência da conectividade entre a rede de entidades de pesquisa e educação, fornecendo uma rota transatlântica direta e exclusiva entre a comunidade científica de ambos continentes.
O Data Center AngoNAP Fortaleza, pela sua localização estratégica, se posiciona como um ponto central na ligação e interconexão entre as Redes académicas dos EUA e suas entidades parceiras da África, através do Nordeste do Brasil, e pelo suporte da infraestrutura de sistemas de cabos submarinos da Angola Cables.

Os benefícios deste projeto – e o que pode ser alcançado, é particularmente relevante no momento em que o mundo precisa trabalhar em conjunto para encontrar soluções para problemas globais, como por exemplo a cura para a pandemia COVID-19  

Declarações
“É com bastante orgulho que a Angola Cables se associa a este importante projeto, sendo a nossa rede de cabos submarinos o ativo essencial na ligação intercontinental entre as entidades científicas. O link dedicado irá fomentar a pesquisa e o desenvolvimento, bem como o trabalho colaborativo entre a comunidade científica Américas – África. Os benefícios deste projeto – e o que pode ser alcançado, é particularmente relevante no momento em que o mundo precisa trabalhar em conjunto para encontrar soluções para problemas globais, como por exemplo a cura para a pandemia COVID-19. Em termos práticos, foi disponibilizado um link de 100G onde acadêmicos, cientistas e educadores em todo o mundo, podem colaborar na busca de soluções adequadas para questões voltadas para nossa sociedade.” – António Nunes, CEO Angola Cables
“Desde o seu lançamento, há 30 anos, como projeto de rede acadêmica, a RNP sempre apoiou a colaboração internacional com iniciativas semelhantes em todo o mundo. A recente disponibilidade da ligação de alta capacidade entre Fortaleza (Brazil) e Luanda (Angola) via cabo submarino SACS, nos forneceu finalmente uma conexão física direta entre a América Latina e a África, que complementou os laços já existentes do Brasil com os EUA e a Europa. O novo eXchange da América do Sul em Fortaleza vai integrar a RNP, RedClara e muitas outras redes globais de pesquisa e educação. Essas rotas de baixa-latência para a África vão incentivar um maior engajamento e proximidade das Américas, com os parceiros africanos em matéria de educação, pesquisa, desenvolvimento e atividades culturais”, disse Nelson Simões, CEO da Rede Brasileira de Ensino e Pesquisa (RNP).
“A AARCLight e a AmLight-SACS tiveram sucesso devido à forte e consistente colaboração entre os parceiros. Ligar os EUA, o Brasil e as nações da África, para apoiar de forma robusta toda uma rede de pesquisa e educação através da rota do Atlântico Sul, é o culminar de 3 anos de planejamento e execução. Otimizar as conexões tecnológicas e sociais em muitas disciplinas científicas, incluindo astronomia, biodiversidade e a genômica, é antecipar e acelerar a taxa de novas descobertas na ciência, ao mesmo tempo que se disponibiliza uma plataforma de networking para todos os envolvidos nessa colaboração.”, diz Heidi Morgan, co-principal investigador e líder do projeto AmLight-SACS.
“A conectividade do SACS entre Brasil e Angola abre novas oportunidades de colaboração entre as comunidades de pesquisa e educação na África, na América Latina e nos EUA, com menor latência do que em rotas anteriores. Além disso, oferece a oportunidade de se avançar com o plano de se estabelecer um Ponto de Intercâmbio Global em Lagos, usando os sistemas de cabos submarinos SACS e WACS”, disse Boubakar Barry, CEO da West and Central African Research and Education Network (WACREN).
“O TENET está honrado em ter feito parte deste projeto e estamos muito satisfeitos que ele esteja se concretizando. Os problemas e desafios da pesquisa dependerão, no futuro, de colaboração e multi-parceiras à nível intercontinental como esta. Estamos especialmente satisfeitos que os pesquisadores africanos estejam a ganhar benefícios substanciais com o projeto”, disse Duncan Greaves, CEO da Rede de Ensino E Pesquisa Terciária da África do Sul (TENET).
A Angola Cables é uma multinacional do sector ICT com soluções diferenciadas de conectividade para o segmento wholesale e corporate. Com uma infraestrutura de transporte robusta e rede IP altamente interconectada a Angola Cables providencia acesso aos maiores IXP´s, Operadores Tier 1 e Provedores de conteúdos globais.
Através dos sistemas de cabos submarinos SACS, Monet e WACS conectamos as Américas, África e Europa assegurando ligações para a Asia via parceiros. Gerimos o Data Center Tier III AngoNAP Fortaleza (Brasil) e o AngoNAP Luanda (Angola) bem como, o PIX e o Angonix, um dos maiores Internet Exchange Point de África.
Providenciamos serviços digitais para múltiplas indústrias e uma oferta customizada em recursos de cloud e gaming.
A Universidade Internacional da Flórida é uma universidade pública de investigação e pesquisa, no modelo multi-campus, que atende a população em geral no sul da Flórida. A FIU está comprometida com o ensino de alta qualidade, pesquisa de última geração e actividade criativa, bem como engajamento colaborativo com a comunidade local e internacional. A universidade procura elevar a compreensão internacional em diversas matérias, se afirmando como um importante centro internacional de educação. A FIU é a primeira e única universidade pública de pesquisa de Miami, oferecendo bacharelado, mestrado e doutoramento. Designada como uma instituição de pesquisa de alto nível, a FIU enfatiza a pesquisa como uma componente importante na missão da universidade (http://www.fiu.edu).
Rede Brasileira de Ensino e Pesquisa (RNP), qualificada como Organização Social (OS) pelo governo brasileiro, é supervisionada pelo Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicações (MCTIC), e é assegurada através do programa Interministerial RNP, que inclui também os Ministérios da Educação (MEC), saúde (MS), Cidadania e Defesa (MD). Sendo o primeiro Provedor de Internet do Brasil com cobertura nacional, a RNP opera uma rede nacional de alto desempenho, com pontos de presença em todos os 26 estados e na capital do país, prestando atendimento a mais de 1200 localidades distintas. Os mais de quatro milhões de utilizadores da RNP fazem uso de uma avançada infraestrutura de rede para comunicação, computação e experimentação, o que contribui para a integração dos sistemas nacionais de Ciência, Tecnologia e Inovação, Ensino Superior, Saúde e Cultura (http://www.rnp.br/en).
A Rede de Ensino E Pesquisa Terciária da África do Sul (TENET) e a Rede Nacional de Pesquisa da África do Sul (SANReN) formam conjuntamente a NREN da África do Sul. A TENET (https://www.tenet.ac.za) é o operador da rede implantada pelas duas entidades. A SANReN integra o Sistema Nacional Integrado de Ciber-infraestrutura (NICIS), localizado no CSIR, e é responsável pelo planejamento, aquisição e implantação da capacidade nacional e internacional para a NREN da África do Sul, bem como pelo desenvolvimento e incubação de serviços avançados (https://www.sanren.ac.za/). O NICIS também inclui o Centro de Alta Perfomance de Computação (CHPC) e a Iniciativa de Pesquisa Intensiva de Dados da África do Sul (DIRISA).

Angola Cables

António Nunes

Data Center AngoNAP Fortaleza

EUA

Nelson Simões

Rede Nacional de Ensino e Pesquisa (RNP) do Brasil

Rede Terciária de Educação e Pesquisa da África do Sul (TENET/SANReN)

Rota de baixa-latência

Universidade Internacional da Flórida (FIU)

As opiniões dos artigos/colunistas aqui publicados refletem exclusivamente a posição de seu autor, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte da Infor Channel ou qualquer outros envolvidos na publicação. Todos os direitos reservados. É proibida qualquer forma de reutilização, distribuição, reprodução ou publicação parcial ou total deste conteúdo sem prévia autorização da Infor Channel.
Revista Digital

Agenda & Eventos

Cadastre seu Evento