book_icon

Utilização de caixas eletrônicos mudam mercado financeiro

Utilização de caixas eletrônicos mudam mercado financeiro
Com o serviço de banco online em ascensão, os dias das grandes agências bancárias com pilares do renascimento grego e tetos abobadados estão contados. A cidade de Nova York se une a uma tendência que já domina o resto do país. Menos agências bancárias e estruturas menores. A Wall Street planeja uma presença reduzida nas principais ruas de Manhattan.
No Brasil, embora a possibilidade de usar um cartão de débito em uma rede de caixas eletrônicos diferente da rede do banco que emitiu o cartão seja baixa, os usos de cartões são em ATMs são a aposta do mercado global, como avalia o especialista em investimentos internacionais, Nilo Mingrone. Para ele o cenário é muito promissor com a facilitação tecnológica que já está sendo aplicada em caixas eletrônicos em todo o mundo.
“Sem dúvida as redes de caixas eletrônicos deverão crescer em todo o mundo. Nos Estados Unidos, onde a população já adota uma postura mais autossuficiente na execução de operações financeiras via caixas eletrônicos, a realidade dos ATMs, ou caixas eletrônicos já é impressionante. A cidade de Nova York, por exemplo, está se unindo a uma tendência que já domina o resto do país. Menos agências bancárias ou agências bancárias menores”, explica Mingrone.
A interoperabilidade também é uma questão de grande relevância para que se possa dar continuidade ao desenvolvimento das fintechs no Brasil, que têm o potencial de aumentar a concorrência no setor financeiro. Algumas das novas fintechs podem ter contas operacionais e emitir instrumentos de pagamento. Mas seus clientes precisam poder usar os caixas eletrônicos para sacar dinheiro.
Mercado de Cartões
Enquanto isso, estudo do Banco Mundial informa que o mercado de cartões no Brasil é o segundo maior do mundo e o país possui 21 redes de caixas eletrônicos. Apesar disso, somente em duas redes – 24 Horas e Saque e Pague-, clientes de diferentes bancos podem fazer saques, pagar boletos e realizar consultas. As outras 19 redes são exclusivas para clientes das instituições financeiras que mantêm os equipamentos. Isso encarece os custos para o setor e os clientes.
“Em um mundo totalmente tecnológico em que as pessoas não querem perder tempo, investimentos cada vez maiores em sistemas melhores e ampliação das redes de caixas eletrônicos serão inevitáveis”, explica Francisco Moura, diretor da ATM Club, incorporadora de investimentos em caixas eletrônicos nos Estados Unidos.
As tendências mundiais são claras e apontam para um nível alto de interoperabilidade das redes de caixas eletrônicos em nível global. Aproximadamente dois terços dos bancos centrais que participaram de uma recente Pesquisa sobre Sistemas Globais de Pagamento indicaram que seus caixas eletrônicos e terminais POS são totalmente interoperáveis.
Visando a avançar em direção a esse objetivo, o Banco Central – Bacen, lançou uma consulta pública para aprimorar o sistema atual. O Banco Mundial também publicou recentemente uma nota sobre algumas experiências internacionais nesse sentido. Especialistas defendem que se o Brasil tem como objetivo aumentar a concorrência no setor financeiro, melhorar a experiência do cliente e reduzir os custos, além de realizar o pleno potencial das fintechs, garantir a interoperabilidade dos caixas eletrônicos seria um grande passo à frente.
Retorno a cada Saque
Os especialistas Mingrone e Moura estão no Brasil para apresentar a modalidade de investimentos inovadora ao público brasileiro. Segundo eles, já houve aumento da procura por investidores brasileiros interessados em obter a rentabilidade em dólar no mercado de caixas eletrônicos americano.
“Quando decidimos apostar na iniciativa, não seguindo a tendência de investimentos usuais nos Estados Unidos, sabíamos que o mercado era promissor. Não por outra razão já detectamos um aumento de 30% na procura de outros investidores que desejam também investir em máquinas de caixa eletrônico nos Estados Unidos. Nossa meta para esse ano é aumentar a rede e expandir o número de caixas a todos os estados americanos”, afirma Moura.
A ATM Club, ou o clube de caixas eletrônicos, ao qual se refere Moura, vendeu US$ 2 milhões de dólares em 2019 e prevê um crescimento ainda maior para este ano. A geração de empregos nos Estados Unidos também está prevista e o projeto prevê a expansão para outros estados americanos ainda este ano.

ATM Club

Francisco Moura

Nilo Mingrone

Últimas Notícias
Você também pode gostar
As opiniões dos artigos/colunistas aqui publicados refletem exclusivamente a posição de seu autor, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte da Infor Channel ou qualquer outros envolvidos na publicação. Todos os direitos reservados. É proibida qualquer forma de reutilização, distribuição, reprodução ou publicação parcial ou total deste conteúdo sem prévia autorização da Infor Channel.
Revista Digital

Agenda & Eventos

Cadastre seu Evento