book_icon

A modernização das Utilities e o futuro da rede de dados

Há mais de 100 anos, as Utilities têm como foco de negócio a venda de um único serviço. Com a digitalização, isso mudou. As novas tecnologias criam oportunidades para esses provedores oferecerem serviços inovadores, ao mesmo tempo em que entregam os tradicionais com segurança e confiabilidade – seja água, energia, gás ou iluminação.
Vale ressaltar que as companhias do setor foram – e são – pioneiras em aplicações específicas de Internet das Coisas – IoT e no uso de dados para melhorar a operação. Espera-se, por exemplo, a instalação de mais de 700 milhões de smart meters no mundo até 2020, segundo a Bloomberg New Energy Finance.

Outro resultado desse pioneirismo é o desenvolvimento global de redes de iluminação pública inteligente. Segundo o IoT Analytics, as cinco cidades que possuíam mais luminárias conectadas até meados de 2018 eram Miami, com 500 mil; Paris, com 280 mil; Madrid, com 225 mil; Los Angeles, com 165 mil, e Jacarta, com 140 mil.

Embora os países em desenvolvimento estejam um pouco mais lentos nessa trajetória, já vemos Jacarta – capital da Indonésia – entre os cinco primeiros, e a brasileira Belo Horizonte com a implantação de aproximadamente 30 mil luminárias conectadas. Um dos principais benefícios buscados pelos países em desenvolvimento é aproveitar-se das reduções de custos trazidas pela tecnologia e, principalmente, das lições aprendidas pelo resto do mundo.
E não é apenas a IoT que vem trazendo novidades para o mercado. Na energia elétrica, por exemplo, além da integração das redes de energia renovável a todo “vapor” – ou a todo “sol”…-, alterações na regulação e comercialização delas no Brasil demandarão altíssimo nível de controle de dados pelos agentes e órgãos reguladores.

Algumas mudanças na legislação recente são ainda iniciais, mas, se ampliadas a mais segmentos podem ter grande impacto, tais como a tarifa branca, que pode chegar a milhões de consumidores no futuro, e, no mercado livre. Com tantas tecnologias, atualizações regulatórias e novos serviços, as empresas possuem um imenso campo para obtenção de dados dos mais variados tipos: telemetria da rede elétrica e de iluminação, histórico de manutenções e ocorrências, controle geográfico de acidentes, comportamento dos consumidores, integração com automação, etc.

Com isso, a necessidade do tratamento de dados fica mais evidente, pois impacta o setor em diversos aspectos. Listo abaixo quatro deles:
o Estruturas para armazenamento de dados estruturados ou não em infraestrutura própria ou em tecnologias de nuvem que possibilitem diminuir o tempo de recuperação da informação;
o Organização e Tratamento: habilitar o uso com o conceito self-service, onde as diversas áreas das empresas possuam a capacidade de analisar dados;
o Decisões inteligentes através da máquina: uso de algoritmos e ferramentas de machine learning e integração a sistemas de inteligência artificial;
o Governança e Proteção dos dados: ter visibilidade do ciclo de vida da informação, curadoria e prevenção a falhas que possibilitem o vazamento de dados ou uso indevido.

Além de quantificar e priorizar os problemas de negócio a serem endereçados com uma cultura baseada em dados, a tecnologia também confere benefícios às aplicações já existentes, tais como: operações mais ágeis com gestão remota de dispositivos, como religadores, lâmpadas led e sensores; otimização de ações de manutenção por meio de predições e estudos preventivos; combate a perdas de receita – predições de furto; previsão de demanda de energia – demand forecast; e melhoria de atendimento e experiência do cliente.

Paralelamente a tudo isso, é importante se preparar também para gerenciar os dados de clientes sob a luz das leis de privacidade, como Gdpr e Lgpd  – Lei Geral de Proteção de Dados brasileira. A lei brasileira entrará em vigor em 2020 e pode gerar grandes penalizações contra vazamentos de dados públicos de clientes. Diante desse cenário, os desafios de segurança sobem de patamar devido a maior digitalização das operações. É o trade-off natural do avanço tecnológico.

As empresas precisarão transformar a maneira como lidam com consumidores cada vez mais digitalizados, conectados e urbanos. Considerando os desafios de evolução de rentabilidade e faturamento nos diversos subsegmentos deste mercado, é evidente que a adoção de tecnologias, e principalmente a explosão dos dados, precisa acontecer de forma rápida, mas com cautela nas mudanças de processos e com precisão na gestão de segurança e proteção dos dados.

Por Marcos Ablas, consultor do segmento de Utilities da Logicalis

Bloomberg New Energy Finance

Digitalização

GDPR

Internet das coisas

IoT

IoT Analytics

Lei Geral de Proteção de Dados brasileira

LGPD

luminárias conectadas

rede de dados

redes de iluminação pública inteligente

smart meters

utilities

Últimas Notícias
Você também pode gostar
As opiniões dos artigos/colunistas aqui publicados refletem exclusivamente a posição de seu autor, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte da Infor Channel ou qualquer outros envolvidos na publicação. Todos os direitos reservados. É proibida qualquer forma de reutilização, distribuição, reprodução ou publicação parcial ou total deste conteúdo sem prévia autorização da Infor Channel.
Revista Digital

Agenda & Eventos

Cadastre seu Evento