Artigos

Cinco grandes ideias que os profissionais de Data Center jamais imaginariam há 50 anos

Se você pudesse voltar no tempo, como você explicaria os modernos conceitos de Data Center para um “programador de processamento de dados” do final da década de 1960? Naquela época, não era incomum ver uma folha de papel no Data Center com os dizeres “O computador está inativo hoje”. Os sistemas de computadores eram grandes e finos. Muitas pessoas não sabiam como executá-los ou consertá-los. Na verdade, o prédio que abrigava o computador não era chamado de Data Center. “Centro de processamento” era a nomenclatura mais familiar.

A maioria desses centros de processamento eram próprios, operados e mantidos por grandes bancos. Caminhões carregados com papel chegariam à noite e os dados seriam “mastigados” no centro de processamento. As impressões seriam criadas e enviadas de volta às agências bancárias no dia seguinte. Estado da arte. Certo?

Dada a realidade daquele tempo, como nosso programador de processamento do final dos anos 60 reagiria à seguinte lista de data centers modernos “inimagináveis”?

1. “Você não precisa da concessionária de energia elétrica para manter seu Data Center em funcionamento”
Os Data Centers costumavam confiar apenas na energia da concessionária. Se a energia da concessionária falhasse, você estava sem sorte. Agora, além de elaborar planos de backup de energia – suportados por UPS e geradores, os dispositivos de energia dentro dos racks são modulares e hot swappable. Se um falhar, os outros módulos de energia assumem a carga adicional. O módulo de energia com falha pode ser substituído simplesmente deslizando o módulo defeituoso e substituindo-o por um novo. Tudo sem interrupção e invisível para o usuário final, que pode estar sentado a milhares de quilômetros de distância.

2. “Você precisa resfriar seu Data Center? Use ar externo”
O equipamento de computação era altamente sensível nos velhos tempos, e as condições ambientais internas tinham que ser controladas com precisão. Hoje, as técnicas de refrigeração econômicas que implantam uma variedade de tecnologias de economizadores permitem que os proprietários de Data Centers economizem muito dinheiro usando o poder da mãe natureza para serem resfriados… tudo sem o medo de arriscar a disponibilidade.

3. “Se você tem pouca equipe qualificada, basta terceirizar”
O conceito de terceirização era praticamente desconhecido no final dos anos 60. Confiar as operações do seu computador a qualquer organização externa era impensável. Hoje, mesmo os aspectos mais especializados das operações de Data Center podem ser terceirizados para qualquer número de especialistas altamente qualificados.

4. “Se você tiver pouco espaço, peça um Data Center em uma caixa”
Hoje, a popularidade dos Data Centers pré-fabricados está aumentando. A energia, o resfriamento e os racks necessários são pré-configurados e pré-montados para entrega rápida e para atualizações imediatas “plug and play” ou para comissionamento rápido de Data Centers “edge” que ajudam a suportar aplicações remotas que consomem muita largura de banda.

5. “Para evitar indisponibilidade devido a falhas de componentes, pratique a manutenção preditiva”
À medida que a revolução da “Internet das coisas” – IoT se acelera, agora é possível reunir dados muito mais precisos em torno do desempenho do Data Center e seus equipamentos e analisar esses dados com o objetivo de prever um desempenho futuro muito mais preciso. Tais práticas economizam milhões de dólares a cada ano para as empresas que ainda dependem de abordagens preventivas para manter seus Data Centers.

A nostalgia é boa, mas hoje em dia os avanços tecnológicos são bons demais para serem ignorados. Os Data Centers percorreram um longo caminho, especialmente na área de arquiteturas de Data Center integradas.

A arquitetura de TI EcoStruxure da Schneider Electric, por exemplo, pode ser entregue aos usuários finais por meio de projetos de referência, soluções pré-configuradas e soluções pré-fabricadas. Ela pode ser configurada como um Data Center inteiro ou pode começar como um produto de infraestrutura, como um UPS – Uninterruptible Power Supply gerenciado pela nuvem e suportado por uma agência de serviços 24 horas por dia, 7 dias por semana. Ele pode ser implantado de uma só vez ou pode ser construído em estágios ou peças. O EcoStruxure IT consiste em três camadas – produtos conectados, controle da edge e analytics – que são integrados para facilitar a conectividade e mobilidade de IoT, análise de nuvem e segurança cibernética.

Qual é o benefício de abraçar uma arquitetura de Data Center tão aberta? Sua próxima grande ideia pode ser entregue em um período de tempo limitado para ajudar seu Data Center a gerar valor comercial e impulsionar vantagem competitiva para sua organização. Para ver até que ponto a inovação possibilitada pela arquitetura de Data Centers poderia impactar a vida das pessoas comuns, dê uma olhada neste vídeo da “Flower City” – apesar de ser uma ficção, isso pode um dia, em um futuro próximo, se tornar real!

Por Marcelo Ponte, gerente de Marketing Estratégico de ITD da Schneider Electric Brasil

Comentar

Clique aqui para comentar

As opiniões dos artigos/colunistas aqui publicados refletem exclusivamente a posição de seu autor, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte da Infor Channel ou quaisquer outros envolvidos na publicação. Todos os direitos reservados. É proibida qualquer forma de reutilização, distribuição, reprodução ou publicação parcial ou total deste conteúdo sem prévia autorização da Infor Channel.

Assine a nossa Newsletter

e receba informações relevantes do mercado TIC

Seu e-mail foi cadastrado com sucesso!
Captcha obrigatório