book_icon

GDPR e LGPD: o caminho para uma lei global de privacidade

No último ano, aconteceram diversos vazamentos de dados e roubos de informações. Em 2018, o Brasil foi o quarto país com mais infecções por ransomware em toda a América Latina. E o ano também foi marcado pela divulgação de um dos maiores casos de uso indevido de dados da história, o escândalo da Cambridge Analytica. 2019 também já começou com significativos, como a violação de dados chamada Coleção # 1, na qual 773 milhões de endereços de e-mail e mais de 21,2 milhões de senhas foram expostos.

Apesar de tantos casos recentes de ransomwares, malwares e vazamentos de informações, nos últimos meses também aconteceram discussões valiosíssimas sobre privacidade e segurança de dados pessoas. Especialmente impulsionados pela criação do Regulamento Geral de Proteção de Dados (GDPR), que entrou em vigor na União Europeia – um fato que influencia não apenas os países da Europa, mas o resto do mundo.

Na esteira da Europa, países como o Brasil, com o LPGD (Lei Geral de Proteção de Dados), ou China, com sua lei de proteção de dados, implementaram regulamentos similares e até se inspiraram no modelo do GDPR, não apenas como referência, mas também para que haja reciprocidade.

A Califórnia, nos Estados Unidos, lançou em 2018 o California Consumer Privacy Act (CCPA). Apesar de ser um único estado norte-americano a ter uma lei de proteção de dados, é importante compreender a importância dessa medida, pois, se a Califórnia fosse um país independente, representaria a quinta maior economia do mundo, atrás de países como a Alemanha, a China e o resto dos Estados Unidos. Portanto, é de se esperar que o CCPA acabe sendo replicado pelos demais estados dos EUA, o que teria um impacto tão grande quanto o GDPR teve na Europa.

Acredito que esses sejam apenas os primeiros passos para que a segurança e a privacidade dos dados do usuário se tornem uma prioridade para empresas e governos. Espera-se que a partir de 2019, com o impulso que significou a entrada em vigor GDPR e outras leis similares em diversos países, o mundo caminhe para uma lei global de privacidade.

É provável que em 2019 continuem existindo casos de violações de segurança e que um grande número de usuários seja afetado por eles. Até que essa tendência em direção a uma lei global de proteção de dados se materialize, iniciativas como a criação de leis locais de proteção de dados e a consequente discussão do tema, ajudam a colocar o assunto em evidência. Com isso, empresas, governos e usuários podem discutir que ações tomar na direção da melhora na proteção e segurança cibernética, otimizando, assim, o gerenciamento de informações pessoais e corporativas, e dando o valor adequado a esse bem tão importante e valioso.

Por Camilo Gutierrez, chefe do Laboratório de Pesquisa da Eset América Latina

Camilo Gutierrez

ESET

GDPR

Lei Geral de Proteção de Dados

LGPD

privacidade

Regulamento Geral de Proteção de Dados

Últimas Notícias
Você também pode gostar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


As opiniões dos artigos/colunistas aqui publicados refletem exclusivamente a posição de seu autor, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte da Infor Channel ou qualquer outros envolvidos na publicação. Todos os direitos reservados. É proibida qualquer forma de reutilização, distribuição, reprodução ou publicação parcial ou total deste conteúdo sem prévia autorização da Infor Channel.
Revista Digital
Edição do mês

Leia nesta edição:

Leia nessa edição sobre tecnologia

CAPA | GESTÃO

A doce ditadura da Governança de Dados

Leia nessa edição sobre carreira

CARREIRA

Profissões do futuro

Leia nessa edição sobre setorial | saúde

SETORIAL

Área pública: desafios e lucros

Esta é para você leitor da Revista Digital:

Leia nessa edição sobre sustentabilidade

LEGISLAÇÃO

LGPD Ano Um: uma construção inacabada

Setembro | 2021 | #50 - Acesse:

Infor Channel Digital

Baixe o nosso aplicativo

Google Play
Apple Store

Agenda & Eventos

Cadastre seu Evento