Informe aqui

IGEOC defende mais diálogo e parceria com contratantes para o sucesso da Cobrança 5.0

14º Congresso Brasileiro de Crédito e Cobrança foi marcado pelos debates francos e pela maturidade dos congressistas

Com foco no cliente, o CMS Business Revolution 2018, realizado entre os dias 23 e 24 de outubro, em São Paulo – em parceria com o Instituto GEOC – abordou temas desafiadores para a indústria de crédito e cobrança. Já na abertura, o empresário, investidor anjo e professor da FGV, Arthur Igreja, afirmou que “é a user experience que transforma os mercados e os negócios”. E acrescentou: “A sabedoria do uso das tecnologias é o que está mudando o jogo”.
O presidente do IGEOC, que reúne 16 das principais empresas de cobrança do Brasil, Luis Carlos Bento, debateu o tema ‘Cobrança 5.0: reinventando o modelo para criar novas oportunidades’, ao lado de representantes do Bradesco, Marcelo Marcílio, do Itaú, Rodrigo Mourato, e Acordo Certo, Roberto Gois. Segundo ele, os modelos tradicional e digital de cobrar uma dívida não são excludentes. Mas enfatizou que é preciso maior parceria com os credores para que as assessorias de cobrança entrem definitivamente no mundo digital. “Investimos muito em tecnologia para diminuir os custos da prestação de serviço. Se vamos realmente partir para o digital, temos que rever o modelo de remuneração. Hoje, se a empresa não bate a meta, não paga os custos. Temos que sentar e dialogar, credores e contratantes, sobre modelos mais sustentáveis. O digital é mais um componente que ajuda a equalizar esta relação”, afirmou Bento. No final, o presidente do IGEOC agradeceu a oportunidade do diálogo franco com os demais integrantes do painel.
A pesquisa sobre o perfil do devedor, preparada tradicionalmente pelo Instituto GEOC para o Congresso de Crédito e Cobrança, revelou que canais digitais como portais de AutoNegociação, Chat, e-mail, SMS, Whatsapp, Facebook Messenger e Agente Virtual já são utilizados por 48,8% das pessoas com pendências financeiras para negociação de dívidas. Um aumento de 20% em relação a 2017. “Os consumidores estão cada vez mais confiantes nos meios digitais de cobrança. 86,5% das pessoas que realizaram acordos por algum canal digital ficaram satisfeitas com a experiência”, afirmou o conselheiro do IGEOC, Jefferson Frauches Viana. Os motivos mais citados como favoráveis para a negociação virtual são a praticidade (47,4%), horários flexíveis (23,5%), discrição (16%) e não ter que falar com um negociador (12,3%). “Por outro lado, 45,4% dos entrevistados reclamaram que os canais virtuais de negociação oferecem poucas opções de pagamento e descontos”, contrapôs. Também participaram do painel Marcelo Augusto, da BV Financeira, Hugo Teixeira, do Santander, e Raphael Salmi, da Serasa Experian.
A Inteligência Multicanal também foi tema do painel moderado pelo conselheiro do IGEOC, Jair Lantaller. Ao lado de representantes do Grupo Pontal, Carlos Secron, da Negócio Fácil, José Muniz, do Banco Original, Rogério Abdala, e da Pascoalotto, Eric Garmes de Oliveira, Lantaller afirmou que “tratar os diversos canais de relacionamento é o que vai propiciar o maior sucesso das empresas do setor. O desafio é: como nos ajustar pra ter sucesso e não ficar só no discurso da multicanalidade?”, provocou.

Certificação do Selo de Qualidade
O Instituto GEOC certificou sete das 16 associadas no CMS Business Revolution. A Antonio Braz e Vanya Maia Advogados Associados foi certificada e as empresas Intervalor, Localcred, ML Serviços de Cobrança, Multicobra, RBrasil, Renac e Zanc receberam a recertificação.
A Certificação de Qualidade do IGEOC é um manual desenvolvido em parceria com a Fundação Getúlio Vargas de São Paulo e auditado pela Fundação Vanzolini, da USP. Contempla valores comuns a serem seguidos pelas associadas, como Excelência, Ética, Transparência, Integridade, Inovação, Compromisso, Defesa da livre concorrência, Respeito e Cidadania.

Comentar

Clique aqui para comentar

As opiniões dos artigos/colunistas aqui publicados refletem exclusivamente a posição de seu autor, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte da Infor Channel ou quaisquer outros envolvidos na publicação. Todos os direitos reservados. É proibida qualquer forma de reutilização, distribuição, reprodução ou publicação parcial ou total deste conteúdo sem prévia autorização da Infor Channel.