book_icon

Convergência de dispositivos muda dinâmica dos negócios

Convergência de dispositivos muda dinâmica dos negócios

Marcelo Pardo, responsável pela área de engenharia de soluções de End User Computing da VMware na América Latina
Durante muitos anos as empresas gerenciaram desktops e dispositivos móveis de forma totalmente separada, tendo, inclusive, equipes diferentes. Com a transformação digital, esse cenário está mudando e impactando na dinâmica dos negócios, tanto em termos de gestão quanto de experiência do usuário.
Até mesmo as análises de mercado do Gartner sofreram alterações. Em junho deste ano, a consultoria encerrou o Quadrante Mágico de Enterprise Mobility Management (EMM) e lançou um focado em Unified Endpoint Management (UEM). O novo estudo acompanha a evolução do mercado, que conta com uma convergência cada vez maior entre os dispositivos usados pelos colaboradores, sejam eles smartphones, notebooks ou desktops e ainda máquinas virtuais.
Atualmente, ainda existem dois mundos completamente diferentes em várias organizações: equipes, sistemas de gestão e conceitos técnicos separados. Porém, os usuários não se importam mais com qual dispositivo vão acessar uma aplicação nem como irão acessá-la. O mais relevante para eles é ter a mesma experiência independentemente do dispositivo e de onde a aplicação está hospedada – na nuvem ou on-premisse – sem necessidade de autenticação.
Esse era um grande desafio para as empresas, mas com a gestão unificada tudo ficará mais fácil para ambos os lados – os usuários e as áreas de TI. As novas suítes permitem a gestão moderna e viabilizam a entrega de aplicações ao usuário com a mesma experiência no dispositivo que eles preferirem. Além disso, facilitam o acesso a todos os sistemas com uma única autenticação automática, ou single sign-on, aprimorando, inclusive, a produtividade do funcionário.
Essa tendência garante mais do que uma experiência única e simples ao usuário, facilita também a rotina da área de TI, que passa a fazer uma gestão de todos os dispositivos em uma única plataforma ao invés de depender de três, quatro ou mais ferramentas. No entanto, o prazo para adoção de uma solução de gestão moderna é curto: em menos de três anos não haverá mais suporte ao Windows 7, por exemplo.
Para que a adaptação seja feita de melhor forma possível, as organizações devem buscar soluções que entreguem mais do que uma gestão centralizada dos dispositivos. É importante adotar tecnologias capazes de oferecer inteligência ao processo, garantindo o controle de acessos e a atualização das aplicações, mas também a usabilidade e a performance delas, além de fazer análises preditivas para garantir, sempre, uma ótima experiência.
Isso porque a usabilidade dos aplicativos não depende apenas da conectividade do usuário. Em muitos casos se deve à uma performance ruim da aplicação em si e muitas organizações nem sabem disso. Com essa tecnologia, já é possível identificar onde estão os gaps de performance, em que telas o aplicativo costuma cair ou demora para responder, ou se há latência na rede. Além disso, é possível monitorar todas as etapas de funcionamento e, com base nos dados, criar indicadores de performance e fazer análise preditiva.
Sem uma solução dessas é quase impossível saber se há um problema com a aplicação e a demora para diagnosticar e agir, gera insatisfação ao usuário final. A velocidade cada vez mais relevante para as organizações, pois além dos problemas impactarem diretamente na sua imagem, podem levar a migração do cliente para a concorrência.
Mais do que adotar novas tecnologias, as empresas precisam mudar a sua visão estratégica para atender ao que é relevante para os clientes e colaboradores. E a experiência dos usuários é um dos requisitos mais importantes para eles hoje em dia. Por isso, contar com soluções que oferecem uma experiência única ao usuário e permitam uma gestão de todos endpoints unificada, com acesso simplificado e coleta de informações sobre o uso e performance das aplicações é fundamental para levar o nível atual a outro patamar e entregar aos usuários a melhor experiência possível.

As opiniões dos artigos/colunistas aqui publicados refletem exclusivamente a posição de seu autor, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte da Infor Channel ou qualquer outros envolvidos na publicação. Todos os direitos reservados. É proibida qualquer forma de reutilização, distribuição, reprodução ou publicação parcial ou total deste conteúdo sem prévia autorização da Infor Channel.