book_icon

KPI e BI: siglas inseparáveis para o sucesso do negócio

KPI e BI: siglas inseparáveis para o sucesso do negócio

Implantar um software de Business Intelligence sem contar com indicadores-chave de performance (KPIs) é equivalente a jogar o dinheiro do BI no lixo.

A afirmação é da CMO da BIMachine, Ana Paula Thesing. Para a especialista, os KPIs são o termômetro de como a estratégia da empresa está sendo conduzida, e apontam o quão perto ou longe está o alcance das metas da empresa e de seus departamentos.

“Com a abundância de dados coletáveis, vindos de uma gama de aplicações e processos digitalizados, é muito fácil ficar perdido em meio à uma infinidade de métricas. Mais dados e números nem sempre significam ter uma real visão abrangente do negócio ou, mais ainda, saber tomar a melhor decisão”, afirma a executiva.

De acordo com a CMO, definir KPIs que façam sentido para o negócio é parte integral de uma estratégia assertiva de BI, direcionando os esforços dos times para obter os melhores resultados, usando os dados para tomar decisões que tenham verdadeiro impacto.

Para atingir esta realidade, a executiva lista seis dicas:

1. Vá além dos números
Números grandes podem ser imponentes e mostrar crescimento, mas nem sempre refletem o que é importante. Pense sempre primeiro na qualidade dos dados e no quanto eles impactam a operação, pois o essencial pode não ser mensurável. Lembre-se: números são um meio, não um fim.

2. Observe os concorrentes
Aprender com empresas mais maduras sempre é válido. A chave para inovar e tomar as melhores decisões é buscar inspiração no que já foi feito. Veja exemplos de companhias do mesmo ramo – isso mesmo, as concorrentes – e aprenda tanto com seus casos de sucesso, quanto com seus erros. Para isso, um bom parceiro de inteligência de negócios pode ser o “pulo do gato”.

3. Cuidado com métricas irrelevantes
É fácil usar números como acessos à ferramenta, transações, likes em redes sociais como uma medida de sucesso. Entretanto, ficar somente em cima desses números pode ser pouco relevante para aferir qualidade ao negócio. Estas “métricas de vaidade” podem conter nenhuma substância, portanto é essencial observar e estabelecer KPIs que tenham uma relação direta com os resultados da organização.

4. Métricas devem significar ações
Bons KPIs têm o objetivo de resultar na tomada de decisões assertivas. Se mudanças nos apontamentos dos KPIs, tanto os bons quantos ruins, não inspiram os gestores a decidir com mais embasamento, sem dúvida é hora de ajustá-los.

5. Identifique seu público
As melhores estratégias de BI contam com indicadores específicos para todos os públicos – clientes internos, externos e acionistas. Todos têm interesses específicos, portanto é importante disponibilizar informações que façam sentido para cada um deles. Para construir bons KPIs para cada público, comece com uma pergunta básica para cada: “Quais são os três aspectos mais importantes que você deseja melhorar na empresa”.

6. Cuidado com as variáveis
KPIs são baseados em ações, mas encher cada objetivo com um monte de variáveis mais confunde do que ajuda. Para manter clara a visão do que é chave para levar o negócio adiante, mantenha um número sucinto de variáveis – de três a cinco – para cada KPI, de olho no que realmente vai impactar positivamente o negócio. Como já falamos anteriormente, cuidado com as métricas irrelevantes.

As opiniões dos artigos/colunistas aqui publicados refletem exclusivamente a posição de seu autor, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte da Infor Channel ou qualquer outros envolvidos na publicação. Todos os direitos reservados. É proibida qualquer forma de reutilização, distribuição, reprodução ou publicação parcial ou total deste conteúdo sem prévia autorização da Infor Channel.
Revista Digital

Agenda & Eventos

Cadastre seu Evento