Informe aqui

Enquanto o 5G não chega, saiba se vale a pena adotar o 4.5G

Operadoras investem para aumentar a velocidade de conexão atual dos smartphones; saiba o que é marketing e o que é realidade nessa solução

*Por Samir Vani

Nos últimos meses, temos visto operadoras de telefonia celular promovendo suas redes 4.5G (ou outros nomes similares, como o 4G+), soluções apontadas como uma opção para ter maior velocidade no acesso à Internet. O movimento lembra um passado não tão distante, na época da transição do padrão 3G para 4G, quando as operadoras lançaram serviços e tecnologias intermediários, também chamados em sua época de 3.5G, entre outros nomes.

Mas, afinal, o que é 4.5G? Ele cumpre a promessa das operadoras? Posso usar isso no meu aparelho? Na verdade, de acordo com os órgãos internacionais, as nomenclaturas das evoluções da quarta geração de dados móveis são chamadas LTE Advanced e LTE Advanced Pro. Logo, o que faz parte desses aprimoramentos está dentro do conjunto de tecnologias 4G, e somente assim deveria ser chamado.

Então é somente marketing o que vemos na TV? Também não…Vamos aos fatos: a tecnologia 4G evoluiu bastante nos últimos anos, e esses avanços garantiram que as atuais velocidades de conexão cheguem a duplicar ou até triplicar as que experimentávamos na tecnologia 4G inicial.

Uma das novas funcionalidades mais interessantes do 4.5G é a chamada “Carrier Agregation”. Essa tecnologia permite aos aparelhos se comunicarem com a rede em diferentes frequências simultaneamente, fazendo assim com que o usuário, ao baixar alguma informação, ver um vídeo, por exemplo, consiga melhorar bastante sua velocidade, diminuindo consideravelmente aquela sensação de travamento, e com isso os usuários têm uma experiência superior. E essa tecnologia auxilia tanto no download de arquivos como no upload.

A boa notícia, em tempos de crise de e consequente aumento de preços de aparelhos, é que essa tecnologia está chegando aos segmentos de preços mais baixos de smartphones, e assim faz com que um número muito maior de usuários tenha experiências mais agradáveis de navegação na internet. Pelo lado das redes das operadoras, essa tecnologia pode melhorar consideravelmente a capacidade, pois, com usuários baixando arquivos mais rapidamente, é possível liberar os serviços mais rapidamente a outros usuários.

Mas isso funciona no meu smartphone atual? Caso você não possua um aparelho high-end comprado recentemente, possivelmente seu aparelho não possui essa funcionalidade integrada. Ou seja, não poderá tirar proveito dessa tecnologia. Na hora da próxima compra de um celular, vale checar se o aparelho desejado é compatível com a tecnologia Carrier Aggregation, para que você possa se beneficiar desse novo avanço tecnológico.

Na MediaTek, empresa que lidera o mercado de chipsets para smartphones na América Latina, temos como um de nossos objetivos agregar cada vez mais recursos que permitam aos celulares serem cada vez mais inovadores, mas sem abrir de mão de preços acessíveis. Só assim é possível democratizar o uso da tecnologia. Dentro desse espírito, já temos em nosso portfólio uma nova geração de processadores prontos para o LTE. E esses produtos chegarão em breve aos mercados ao redor do mundo.

O 4.5G (ou outros nomes que vamos ouvir relacionados) é uma boa notícia para nós consumidores, que teremos a possibilidade de utilizar os nossos inseparáveis companheiros, os smartphones, de maneira mais eficiente, enquanto esperamos pelo tão falado padrão 5G, que trará um pacote ainda melhor de tecnologias. Mas isso é conversa para uma próxima oportunidade…

*Samir Vani é Country Manager da MediaTek no Brasil, empresa fabricante global de semicondutores para equipamentos como smartphones

Comentar

Clique aqui para comentar

As opiniões dos artigos/colunistas aqui publicados refletem exclusivamente a posição de seu autor, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte da Infor Channel ou quaisquer outros envolvidos na publicação. Todos os direitos reservados. É proibida qualquer forma de reutilização, distribuição, reprodução ou publicação parcial ou total deste conteúdo sem prévia autorização da Infor Channel.