Gestão

Gasto excessivo com a sustentação da operação de TI é obstáculo para inovação

Pesquisa “State of Innovation” encomendada pela Rimini Street revela inúmeras dificuldades enfrentados por CIOs, apesar de benefícios tangíveis e retorno de investimento em inovação

Apesar de reconhecerem a importância da inovação e da necessidade de transformação dos negócios, líderes de TI e finanças dizem que estão enfrentando grandes obstáculos. A pesquisa mundial “State of Innovation, encomendada pela Rimini Street, empresa de serviços independentes de suporte, mostra que 77% dos executivos com poder de decisão dizem que gastam “muito para sustentar suas operações de TI”, “sentem falta de apoio dos Conselhos Administrativos para investimento significativos em inovação” (76%) e “estão amarrado a contratos de fornecedores que restringem a inovação” (74%).

Para 63% dos entrevistados, os Conselhos estão mais focados em corte de custos do que em inovação

Esses resultados foram indicados por 900 executivos de TI e de finanças provenientes de diversas indústrias da América do Norte, Europa, Oriente Médio, África, Ásia-Pacífico e América do Sul (incluindo o Brasil). O levantamento foi encomendado pela Rimini Street, conduzido pela empresa de pesquisa Vanson Bourne e tem o aval de Illan Oshri, professor da University of Auckland Business School,

Enquanto a maior parte das organizações alega ter motivação e ambição para serem inovadoras, 71% das empresas consultadas pela pesquisa global indicaram que têm dificuldade para encontrar orçamento para essas iniciativas. Com o encolhimento dos budgets de TI, os tomadores de decisão da área de tecnologia e financeira são desafiados a buscar e investir em estratégias de crescimento para seus negócios, equilibrando, ao mesmo tempo, essa diretiva com os custos significativos destinados para manter e rodar suas operações atuais.

Figurando também no topo da lista de obstáculos enfrentados por executivos que buscam iniciativas de transformação digital, 76% dos consultados citaram que sentem “falta de apoio dos Conselhos Administrativos para investimentos significativos em inovação”. Embora a pesquisa confirme que há lideranças com olhar de inovação presentes nos Conselhos, metade dos entrevistados notam que os conselheiros fracassam em convencer o grupo que o investimento em inovação é crítico para os negócios.

Há também consenso entre os profissionais consultados pela pesquisa de que os Conselhos de Administração tendem a se abster de projetos de transformação complexos que integram toda a infraestrutura de TI (64%).  Para 63% dos entrevistados, os Conselhos estão mais focados em corte de custos do que em inovação, enquanto 57% acreditam que os Conselhos Administrativos não estão confiantes de que as organizações possuam competências para atender aos objetivos de inovação.

Essas atitudes da alta diretoria em relação a investimentos em projetos de transformação digital criam importantes desafios para líderes de TI e de finanças com visão de futuro, focados em apoiar o crescimento e a obtenção de vantagem competitiva para as organizações.

Portanto, como executivos de TI e do setor financeiro podem modificar o mindset dos Conselhos com o objetivo de receber aprovação e seguir em frente com suas tão necessárias iniciativas de transformação digital dos negócios?

llan Oshri, professor da University of Auckland Business School, afirma que investir em inovação requer uma cultura organizacional que encoraja os líderes a assumirem riscos e aceitarem o fracassos para adquirir aprendizado. “A maior parte das companhias está mais confortável com previsibilidade e resultados confiáveis, e menos inclinada ao desafio, aceitando as convenções dos negócios. Essa abordagem de mitigação de risco está em seu DNA”, explica Oshri. “No entanto, organizações que se distinguirem pela inovação abraçarão uma mentalidade dupla que equilibra investimentos em projetos incertos, porém transformadores, com foco em excelência operacional. Esse equilíbrio é extremamente desafiador e essencial para obter sucesso agora e também no futuro”.

Apresentar um modelo “robusto” de Retorno do Investimento (ROI) é essencial para ganhar apoio dos Conselhos em projetos de inovação. Ficou claro na pesquisa global da Rimini Street que a taxa de ROI é o componente secreto para novos investimentos em inovação. Mais de um terço dos entrevistados responderam que sua organização já gerou aumento de receita (37%) ou reduziu os custos de operação (35%) como resultado de seus investimentos em inovação. Os executivos também reportaram, respectivamente, um crescimento médio de 14% na receita anual e uma redução média de 12% nos custos operacionais. Adicionalmente, 83% da base de pesquisa afirmaram reconhecer uma evidente ligação entre inovação de TI e sua posição competitiva na indústria. Com essas estatísticas, a questão que permanece é por que metade dos consultados disseram não serem capazes de convencer os Conselhos de Administração sobre a importância de investir em iniciativas de inovação?

Segundo a pesquisa, os líderes que afirmaram já terem vivenciado aumento das receitas como resultado dos investimentos de suas organizações em inovação estão menos preocupados com o budget direcionado para este assunto e mais propensos a convencer seus Conselhos a favor desses investimentos. O mesmo grupo também reportou que já vivenciou aumento de produtividade (62%), melhora da satisfação dos consumidores (60%) e maior capacidade competitiva (53%) – resultados de seus investimentos em inovação.

De acordo com Dave Jackson, CIO da Welch, subsidiária da cooperativa de agricultores norte-americanos National Grape Cooperative, quando a companhia reconheceu mudanças nos hábitos de consumo dos consumidores, sua estratégia mudou para contenção de gastos de TI, visando reinvestir economias e recursos para em novas iniciativas de marketing.

“A estratégia adotada pela Welch deveria apoiar o aumento de funcionalidades e busca de inovação enquanto os custos deveriam ser reduzidos”, afirma Jackson. “Nós sabíamos que precisaríamos investir no futuro e maximizar nosso orçamento de TI simultaneamente. Então, redirecionamos nosso budget ao mudarmos para um modelo de suporte de TI independente. Imediatamente, então, economizamos aproximadamente 70% dos custos de manutenção anual e de despesas relacionadas. Isso nos ajudou a ampliar nossa estratégia de TI, indo além dos limites do ERP tradicional com a adoção de novas tecnologias Cloud”.

Impeditivos para inovação

Muitos líderes consultados pela pesquisa citaram preocupação com a excessiva dependência de suas organizações com fornecedores de software de aplicativos corporativos. Além dos 74% que afirmaram que “estar amarrados a contratos de fabricantes que restringem a inovação” é um obstáculo à transformação, 54% afirmaram que estão sendo pressionados a adotarem a estratégia Cloud desses fornecedores. Muitos entrevistados também têm buscado clareza nos roadmaps de aplicações Cloud dessas empresas.

A falta de inovação por parte dos tradicionais fornecedores de software, aliada à pressão para responder às necessidades de negócios em evolução de maneira rápida, tem levado executivos de TI e de finanças a buscarem novas estratégias para realocarem o capital e os recursos necessários para a inovação e o crescimento. Essa realidade demanda uma significativa reavaliação dos componentes de custos e compensações orçamentárias, além de um esforço adicional para explorar novas opções inovadoras em todo o cenário de TI, incluindo suporte independente para softwares empresariais.

“Essa pesquisa enfatiza que, embora entendam o valor estratégico dos investimentos em inovação e desejam direcionar mais recursos para aproveitar os benefícios já mencionados, os executivos com poder de decisão nas áreas de TI e finanças continuam enfrentando dificuldades para obter os recursos necessários para fazer investimentos tão críticos para o crescimento dos negócios”, diz Hari Candadai, Vice-Presidente de Global Product Marketing and Strategy da Rimini Street.

“Nós entendemos essa dinâmica de empurra-empurra e estamos focados em ajudar nossos mais de 1.580 clientes atuais a maximizarem o valor de seus sistemas empresariais e a liberar os recursos consideráveis que estão ocultos no seu suporte de TI. Isso possibilita que nossos clientes redirecionem economias para projetos de transformação dos negócios que vão não só ajudá-los a manterem suas vantagens competitivas, mas também vão proporcionar reconhecimento adicional junto ao CEO e ao Conselho de Administração de suas empresas para futuros investimentos”.

Comentar

Clique aqui para comentar

As opiniões dos artigos/colunistas aqui publicados refletem exclusivamente a posição de seu autor, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte da Infor Channel ou quaisquer outros envolvidos na publicação. Todos os direitos reservados. É proibida qualquer forma de reutilização, distribuição, reprodução ou publicação parcial ou total deste conteúdo sem prévia autorização da Infor Channel.