Informe aqui

ESET anuncia tendências em segurança informática para 2018

O Laboratório de Investigação da ESET apresenta previsões sobre ataques e ameaças para o próximo ano

São Paulo, 18 de dezembro de 2017 – A ESET, líder em detecção proativa de ameaças, anuncia a publicação do relatório chamado: “Tendências de segurança cibernética 2018: O custo do nosso mundo conectado”. Ele se baseia em informações coletadas pelo Laboratório de Investigação da ESET, revelando importantes problemas, eventualidades e desafios que enfrentaremos durante o próximo ano.

“Em 2018 os cibercriminosos e grupos de ciberespionagem continuarão infectando sistemas com as ameaças conhecidas, uma vez que já estabeleceram uma forma de ganhar dinheiro de maneira ilegal, e assim, deveremos ver novas táticas de ataques. Entretanto, o aumento da cooperação entre os órgãos de aplicação da lei e as entidades privadas de segurança cibernética é algo muito positivo, já que a prisão dos responsáveis por esses ataques e a dissuasão dos grupos de cibercriminosos está progredindo”, diz Camilo Gutierrez, Chefe do Laboratório de Pesquisa da ESET América Latina.

Os eixos temáticos do relatório “Tendências de segurança cibernética 2018: O custo do nosso mundo conectado” abordam:

O aumento dos ataques à infraestrutura crítica: os casos de ciberameaças que afetam a infraestrutura crítica foram notícia em 2017, e continuarão sendo em 2018, a medida que a infraestrutura dos ataques cresce com a incorporação de dispositivos cada vez mais interconectados.
Ataques à cadeia de suprimentos: as grandes empresas estão despertando à ameaça de ataques cibernéticos com equipes de segurança que recebem mais apoio para melhorar as medidas de segurança, mas as PMEs (pequenas e médias empresas) continuam enfrentando essas novas preocupações, e, como elas costumam fornecer bens e serviços para organizações maiores, tornam-se alvos de cibercriminosos para comprometer essas infraestruturas mais robustas.
Maior cooperação entre os especialistas em aplicação de lei e segurança cibernética: a investigação de malwares vem demonstrando ser útil para a aplicação da lei na guerra contra os crimes virtuais.
Pirataria na democracia: É possível proteger os processos eleitorais? As eleições mais recentes despertaram inúmeras questões quanto a segurança cibernética, sendo a mais importante: até que ponto um ciberataque pode influenciar um processo eleitoral?
A privacidade na nova era da tecnologia: os dados são a nova moeda para os consumidores que esperam aproveitar um software de baixo custo ou gratuito, o que levou os provedores a entrar no negócio de coleta de dados, aumentando os riscos relacionados com a privacidade das informações.
“Enquanto boa parte das grandes empresas leva a sério a questão da seguraça de dados, investindo em soluções suficientes para fazer um bom trabalho, boa parte das pequenas empresas, que proporcionam bens e serviços a organizações maiores, não possuem a mesma preocupação, o que as torna mais vulneráveis, e consequentemente, afeta todos os envolvidos“, diz Stephen Cobb, principal investigador de Seguraça da ESET.

Acesse o relatório completo em ´´Tendências de segurança cibernética 2018: O custo do nosso mundo conectado “ ou obtenha mais informações em:

https://www.welivesecurity.com/br/2017/12/15/tendencias-em-seguranca-2018-o-custo-do-nosso-mundo-conectado/