Tendências

Em ranking brasileiro de inovação, pequenas empresas lideram com 46,5%

Levantamento da ABDI aponta que maioria das soluções estão sendo desenvolvidas por empreendedores de pequeno porte

O modo como vivemos nas cidades atualmente mudará radicalmente nos próximos 5 ou 10 anos. Está acontecendo uma mudança irreversível, onde a tecnologia estará cada vez mais integrada aos espaços e serviços públicos, em um processo global de transformação chamado de Smart Cities (Cidades Inteligentes).

“O Brasil tem todas as ferramentas para ser o protagonista que levará as principais soluções de Cidades Inteligentes para toda a América do Sul”, Guto Ferreira

Por conta dessa relevância, a Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI) e o INMETRO firmaram uma parceria para a criação 1° laboratório de testes para Cidades Inteligentes, no município de Xerém, no Rio de Janeiro. Neste local, em condições reais de uso, novas soluções de iluminação, conectividade, prevenção de desastres e mobilidade serão testadas. “Posso afirmar que deste projeto sairá grande parte do que teremos nas cidades nos próximos anos”, explica Guto Ferreira, presidente da ABDI.

As empresas que se inscreveram, todas brasileiras ou multinacionais com escritórios no Brasil, ajudaram a traçar um ranking de como está a produção de tecnologia para Smart Cities. Diferente do que muitos pensam, a maior parte, 46,5%, é formada por empresas de pequeno porte, com faturamento anual de até R$ 500 mil.

Outros 17,16% são representados por empresas com faturamento entre R$ 500 mil e R$ 5 milhões, ou seja, também podem ser consideradas pequenas. As grandes corporações, que faturam mais de R$ 50 milhões somam apenas 27,25%. “Este dado revela que tem muita gente empreendendo, mas que precisa de suporte para ter visibilidade, aprimorar o produto e conseguir conquistar mercado e crescer”.

Quando a questão é distribuição geográfica o Ranking de Inovação para Cidades Inteligentes mostrou que o Estado de São Paulo está na dianteira, com 48 empresas participantes, do total de 109, seguido pelo Paraná com 14 e Rio Grande do Sul e Rio de Janeiro empatados na 3° colocação, cada um com 10. Entre as cidades, São Paulo e Campinas são líderes, com 20 e 11 corporações respectivamente, seguidas por Curitiba, com 10 e Rio de Janeiro com 8.

“A liderança paulista já era prevista, em razão do grande parque industrial e tecnológico. Porém, o que chama a atenção é o sul do país despontando com soluções inovadoras e espalhadas por muitas localidades. O Brasil tem todas as ferramentas para ser o protagonista que levará as principais soluções de Cidades Inteligentes para toda a América do Sul”, afirma Ferreira.

“Discutir se o futuro que se aproxima será positivo ou não é uma discussão que não gera efeito prático, pois ele irá acontecer e não tem como ser freado. O que precisamos e estamos fazendo é pensarmos em como utilizar o que está sendo criado de inovação para melhorar a qualidade de vida das pessoas de forma prática”, diz o presidente da ABDI.

Comentar

Clique aqui para comentar

As opiniões dos artigos/colunistas aqui publicados refletem exclusivamente a posição de seu autor, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte da Infor Channel ou quaisquer outros envolvidos na publicação. Todos os direitos reservados. É proibida qualquer forma de reutilização, distribuição, reprodução ou publicação parcial ou total deste conteúdo sem prévia autorização da Infor Channel.