Mercado

Mercado de tablets apresenta segunda queda anual consecutiva

Segundo estudo da IDC, setor está mais maduro e é dominado por três marcas

O mercado brasileiro de tablets apresentou queda de vendas pelo segundo ano consecutivo. Segundo o IDC, em 2016, foram comercializadas cerca de 4 milhões de unidades, diminuição de 32% na comparação com o ano anterior. O setor já havia mostrado declínio no resultado de 2015, quando foram vendidos pouco mais de 5,8 milhões de dispositivos, um recuo de 38% ante 2014. Para 2017, expectativa é de chegar à marca de 3,7 milhões de tablets vendidos, ou seja, 7% a menos do que em 2016.

O setor já havia mostrado declínio no resultado de 2015, quando foram vendidos pouco mais de 5,8 milhões de dispositivos, um recuo de 38% ante 2014

“Em 2016, passado o ‘boom’ de vendas de tablets, 80% do mercado ficou dominado por três empresas que resistiram ao período de crise e à canibalização destes dispositivos. Isso deixou o setor mais saudável e com produtos que oferecem melhor experiência de uso ao consumidor”, diz Wellington La Falce, analista de mercado da IDC Brasil.

Entre outubro e dezembro de 2016, foram comercializados 1,2 milhões de unidades, ou seja, 17% a mais do que no terceiro trimestre de 2016 e 11% a menos do que no mesmo período de 2015. “Como o tablet segue na lista de desejos do público infantil, o último trimestre de 2016 manteve o movimento aquecido dos anos anteriores por conta do Dia das Crianças, da Black Friday e do Natal”, finaliza o analista da IDC.

Ainda de acordo com o estudo da IDC, os produtos colocados à venda em 2016 ficaram numa faixa de preço apenas 3% maior do que no ano anterior. “Em 2015, os tablets custavam, em média, R$ 500. No ano passado, os preços ficaram na faixa de R$ 513”, completa La Falce. Segundo o estudo IDC Brazil Tablets Tracker Q4, realizado pela IDC Brasil, do total de tablets vendidos no ano passado, apenas 26,5 mil foram notebooks com telas destacáveis.

Comentar

Clique aqui para comentar

As opiniões dos artigos/colunistas aqui publicados refletem exclusivamente a posição de seu autor, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte da Infor Channel ou quaisquer outros envolvidos na publicação. Todos os direitos reservados. É proibida qualquer forma de reutilização, distribuição, reprodução ou publicação parcial ou total deste conteúdo sem prévia autorização da Infor Channel.