Tendências

Drones serão vendidos em 2017 para uso pessoal e comercial, prevê Gartner

Vendas devem ultrapassar US$ 6 bilhões podendo chegar a US$ 11,2 bilhões até 2020. Dispositivos de entrega responderão por menos de 1% do mercado comercial até 2020

A produção de drones para uso pessoal e comercial está crescendo rapidamente,  com expectativa de aumento na receita global de 34%. Segundo levantamento do Gartner, neste ano as vendas devem ultrapassar  US$ 6 bilhões podendo chegar a US$ 11,2 bilhões até 2020. Com isso, a produção dos equipamentos também crescerá e ultrapassará em 39% a produção de 2016.

“Os mercados de drones para uso comercial e pessoal se sobrepõem cada dia mais, uma vez que dispositivos pessoais de baixo custo estão sendo usados para fins comerciais”, afirma Gerald Van Hoy, Analista de Pesquisas do Gartner

Segundo analistas do Gartner, o mercado geral crescerá significativamente, mas as dinâmicas dos segmentos pessoal e comercial são muito diferentes. Segundo o instituto, isso acontece porque o uso pessoal e comercial está sujeito a diversas regulamentações governamentais.

Os drones para uso pessoal continuarão a crescer em popularidade, sendo considerados uma extensão acessível para usuários de smartphones tanto para fotografias e selfies como para outras formas de entretenimento. Pesando menos de dois quilos e com preços inferiores a 5 mil dólares, eles podem voar pequenas distâncias por um curto período de tempo (normalmente não mais que 5 mil metros por uma hora).

Já o mercado de drones para uso comercial é muito menor e tem uma média de preço mais alta em comparação aos dispositivos para utilização pessoal. Com mais países consolidando as regulamentações para drones, o mercado está começando a se estabilizar e as empresas estão agora comprando esses dispositivos para serem testados e implementados em quase todas as indústrias.

Normalmente, os drones comerciais têm custo-benefício mais alto, maior tempo de voo e sensores e controladores de voo extras para torná-los mais seguros. Eles têm foco em funções específicas como mapeamento, entrega e inspeção industrial, de forma que os preços variam de acordo com os requisitos necessários.

“Os mercados de drones para uso comercial e pessoal se sobrepõem cada dia mais, uma vez que dispositivos pessoais de baixo custo estão sendo usados para fins comerciais. Os fabricantes de drones para uso pessoal estão posicionando seus produtos de forma mais agressiva no setor comercial. Avanços recentes na tecnologia estão acabando com essa segmentação e permitindo que os drones para uso pessoal sejam usados para funções como vigilância, modelagem e mapeamento 3D”, explica Gerald Van Hoy, Analista de Pesquisas do Gartner.

Potenciais verticais

No setor comercial, novos estudos de caso são publicados regularmente, mostrando as economias tanto de custo quanto de tempo e destacando a maior precisão e qualidade dos drones.

A agricultura já foi considerada o maior mercado de drones para uso comercial, mas as dinâmicas econômica e de preços com rendimentos e retorno sobre o investimento menores fazem com que esse segmento não cresça no mesmo ritmo que os outros. O Gartner estima que, até 2020, a grande vulnerabilidade de gastos na agricultura limitará o crescimento de drones nesse setor para 7%.

Áreas de inspeções industriais têm obtido muito mais sucesso, especialmente nos segmentos de óleo e gás, energia, infraestrutura e transporte, uma vez que as regulamentações não impactam o mercado tão fortemente quanto inicialmente se esperava. Essas inspeções são realizadas, em sua maioria, em aparelhos posicionados dentro de um diâmetro de até três metros de distância. Para o Gartner, o segmento de inspeção dominará 30% do mercado de drones comerciais até 2020.

Os drones de entrega continuam a chamar a atenção, mas só serão devem ter destaque somente em alguns anos. O retorno sobre o investimento ainda não foi comprovado tanto em relação aos custos operacionais e do dispositivo como na entrega para um único cliente.

“Esse tipo de drone será impactado por questões logísticas, como o tempo necessário de retorno do dispositivo ao ponto de origem após a entrega, e representará menos de 1% do mercado comercial até 2020. Acreditamos que os drones de entrega serão utilizados primeiramente em um nicho de aplicações B2B (business to business), muito provavelmente para serviços internos em empresas onde a logística não esteja entre as principais prioridades”, completa Van Hoy.

Comentar

Clique aqui para comentar

As opiniões dos artigos/colunistas aqui publicados refletem exclusivamente a posição de seu autor, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte da Infor Channel ou quaisquer outros envolvidos na publicação. Todos os direitos reservados. É proibida qualquer forma de reutilização, distribuição, reprodução ou publicação parcial ou total deste conteúdo sem prévia autorização da Infor Channel.